Educação reforça seu compromisso com o Dia D da Avaliação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Hortência Araújo, secretária em exercício da Educação, conduz reunião com dirigentes do Sintese
Hortência Araújo, secretária em exercício da Educação, conduz reunião com dirigentes do Sintese

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/05/2014 às 00:46:00

A secretária de Estado da Educação em exercício, professora Hortência Araújo, recebeu dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial de Ensino (Sintese). Na oportunidade, Hortência apresentou e esclareceu pontos acerca do Dia D da Avaliação, que acontecerá no próximo dia 7 de maio em todas as escolas da rede estadual. Após um diálogo e a garantia oferecida pela secretária da revogação total das portarias nº 3.416/2012 e 1.802/2014, bem como a supressão do inciso II do Art.3º da portaria nº 1775/2014 (que institui o Dia D da Avaliação), o Sintese se comprometeu a apoiar o evento, bem como mobilizar os professores durante assembleia para que colaborem com a iniciativa.

No entendimento do sindicato, as portarias e o inciso representavam a tentativa de implantação do Índice Guia de Avaliação de Desempenho, um documento rejeitado pela categoria. Por entender que o Dia D da Avaliação necessita da participação de toda a comunidade escolar, inclusive do corpo docente, e por saber que o evento não representa uma tentativa de estabelecer o Índice Guia, a secretária optou por atender às reivindicações do sindicato e promover as anulações e alterações sugeridas.

Professora Hortência Araújo apresentou o Dia D da Avaliação como uma oportunidade em que todas as escolas da rede estadual desenvolverão atividades com o objetivo de refletir e debater sobre o seu desempenho, por meio da discussão de seus indicadores de avaliação, envolvendo toda a comunidade escolar, incluindo pais e responsáveis. Ainda de acordo com a secretária, um dos objetivos é analisar os dados do Ideb, do Enem, e de outros índices educacionais relativos a cada escola. "Estes dados estão disponíveis e não podem ser engavetados. Para gerá-los, o Governo Federal faz um grande investimento", ressaltou.

A secretária explicou, ainda, que a Seed sugeriu atividades que podem ser realizadas pelas escolas no Dia D, mas que cada unidade terá autonomia nos processos de mobilização e avaliação. "Dessa atividade vamos ter um relato de cada unidade escolar, e juntos, escolas, diretorias regionais de educação e Seed, farão uma análise e planejarão apoio para solução dos problemas apontados" , explicou.

Hortência concluiu a apresentação reforçando a ideia de que o Dia D não resolverá todos os problemas das escolas de uma só vez, mas é um primeiro passo para fomentar a reflexão e discussão entre aqueles que compõem o ambiente escolar, ou seja, alunos, pais, professores, equipes gestora e pedagógica e funcionários. "Será que tem algo mais democrático do que juntar os segmentos da comunidade escolar para discutir a escola? A gente quer que a unidade escolar se coloque como uma estrutura viva, discuta seus problemas e parta para as soluções. Devemos encarar o Dia D como uma prática de diálogo e reflexão dentro da escola. Uma primeira experiência de um processo que nós vamos construir, conjuntamente, ao longo do tempo", arrematou a secretária.

Após a apresentação do Dia D e a chegada ao consenso sobre as portarias, representantes do Sintese se mostraram receptivos ao projeto. "O sindicado não se opõe a nada do que foi apresentado", disse Ângela Melo, presidente do Sintese. "Estamos satisfeitos com a Seed por abrir o diálogo e construir uma educação pública com a participação de todos. É por esta causa que lutamos há anos", reconheceu Ivonete Cruz, vice-presidente.

Ao final da audiência, representantes do Sintese prometeram convocar uma assembleia em caráter de urgência para reforçar, entre seus membros, o apoio do sindicato ao Dia D, e afastar indícios de paralisação da categoria durante o evento.