Amorim: Mendonça é caso para psicólogo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
AMORIM ATACOU MENDONÇA, DEFENDIDO PELA MULHER
AMORIM ATACOU MENDONÇA, DEFENDIDO PELA MULHER

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/07/2012 às 02:44:00

Chico freire
chicofreire@jornaldodiase.com.br

"Esse deputado que eu não quero nem citar o nome  precisa de um apoio psicológico". Foi o que disse na manhã de ontem o senador Eduardo Amorim (PSC), durante entrevista ao radialista Evenilson Santana, no programa Liberdade sem Censura, ao ser questionado sobre as declarações do deputado federal Mendonça Prado (DEM), que se posicionou contra a aliança feita pelos irmãos Amorim com o DEM, assegurando que não sobe no palanque.

"Não é normal uma pessoa sentir tanto ódio. Por isso eu digo que ele precisa de um apoio psicológico. Isso é uma grave enfermidade e eu gostaria que algum amigo dele o orientasse a procurar um psicólogo. Ele precisa se tratar", aconselha Eduardo.
Segundo o senador,  Mendonça Prado "na ambição de ficar com o patrimônio político do ex-governador  só pensa em fazer o mal. Ele vai inclusive ajudar se ficar fora do palanque, porque com tanto sentimento ruim isso só iria prejudicar".

Quanto a Jackson Barreto, que o acusa de visar apenas interesse politico e poder, Eduardo disse: "Quando fazíamos parte do bloco aliado, ele não falava assim. Ele sabe que o que ele diz não condiz com a verdade. Além disso, como já disse, o vice-governador fala agora porque não estamos mais no grupo do governador e ele sabe que esse rompimento não partiu de nós".

Coligação - Sobre a coligação feita pelo grupo liderado por seu irmão, o empresário Edvan Amorim, com o candidato a prefeito do DEM, João Alves Filho,  Eduardo disse que tudo foi feito após ouvir todos os partidos.
Com relação ao grupo não ter direcionado o apoio ao deputado federal Almeida Lima (PPS), que também é candidato a prefeito de Aracaju, Eduardo justificou: "Se o deputado Almeida Lima à época em que foi para o PPS, tivesse ingressado em um dos partidos do grupo, com certeza ele seria o candidato".