Agricultores ocupam o Incra no 20º Grito da Terra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 21/05/2014 às 00:26:00

Kátia Azevedo
katiaazevedo@jornaldodiase.com.br

Os trabalhadores rurais de Sergipe ocuparam nas primeiras horas de ontem a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O ato faz parte do Dia "D" do 20º Grito da Terra Brasil, que nesta edição contou com uma estratégia de mobilização diferenciada com a realização de protestos em todo o país, mobilizando entre 40 a 50 mil agricultores.  
Durante a manifestação, que contou com a participação de representantes de sindicatos e movimentos, os trabalhadores rurais ocuparam o pátio e a recepção do instituto para reivindicarem uma reunião com a superintendência local do Incra.

A ocupação foi organizada pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetase) com o apoio da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-SE). Solange Ferreira, presidente da Fetase, explicou que o objetivo dos protestos é discutir a reestruturação dos acampamentos e assentamentos.
"Queremos agilidade no processo de reforma agrária, fortalecimento da agricultura familiar, renegociação das dívidas e políticas sociais para o campo", disse.
Ela destacou que a ocupação foi um ato simbólico para dar visibilidade à pauta de reivindicações do trabalhador do campo de Sergipe e buscar o apoio da superintendência do Incra no Estado nesta luta.
Com bandeiras e um trio pé de serra tocando forró, os trabalhadores entregaram a pauta de reivindicações ao superintendente do Incra em Sergipe, Leonardo Gois Silva, que recebeu dirigentes da Fetase em uma reunião na manhã de ontem.

A direção do Incra e os dirigentes da Fetase voltam a se reunir no dia 27 de maio para discutirem as pautas específicas dos rurais de Sergipe. Do encontro, deverão participar todos os diretores do Incra e uma comissão de representantes da Federação.
O superintendente informou que as reivindicações serão analisadas com as comunidades através de reuniões e adiantou que só vai estabelecer os compromissos que podem ser atendidos.
"As pautas serão enviadas para a gerência nacional do Incra que encaminhará o assunto à Presidência da República. O órgão executará o que for aprovado no encontro da presidente Dilma Rousseff", informou. A reunião está agendada com a direção da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) para esta quarta-feira.

A pauta de reivindicações, entregue à presidenta Dilma Rousseff em 3 de abril, conta com 23 pontos centrais, que tratam da reforma agrária, fortalecimento da agricultura familiar, meio ambiente, juventude e sucessão rural, assalariamento rural, Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo), políticas sociais, relações internacionais e organização e enquadramento sindical.
Ao todo são mais de 300 reivindicações, entre elas o assentamento de 150 mil famílias; e um montante de R$ 51,4 bilhões para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar, sendo R$ 30 bilhões para crédito de investimento e custeio do Pronaf e R$ 21,4 para as demais políticas e programas.