Hospital Cirurgia retoma procedimentos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/06/2014 às 00:44:00

A Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia retomou ontem os procedimentos cirúrgicos que estavam suspensos desde a última segunda-feira, 09.

O atendimento foi regularizado após um acordo entre a instituição e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) referente ao pagamento de passivos correspondentes a serviços prestados pelo hospital.
De acordo com informações da assessoria de comunicação do Hospital de Cirurgia, a Prefeitura de Aracaju, através da SMS, reiniciou os repasses à unidade de saúde na última quinta-feira, dia 12, e ontem as atividades voltaram ao normal.

Com a suspensão dos serviços, o hospital não estava atendendo novos pacientes do Sistema Único de Saúde. De acordo com a assessoria de comunicação da unidade hospitalar, as cirurgias tinham sido interrompidas por causa da falta de repasse da prefeitura referente a passivos financeiros correspondentes à prestação de atendimentos fixados em convênio.
O hospital alegou que sem o repasse dos recursos enfrentou problemas para realizar pagamento salarial dos funcionários, adquirir material para operacionalização do atendimento e quitar pendências financeiras com os fornecedores.

Na tarde da última terça-feira o secretário da Saúde de Aracaju, Alvimar Rodrigues de Moura, recebeu a direção do hospital para tratar do contrato mantido pelo órgão com a unidade.
Segundo divulgação feita pela SMS, o órgão analisou a planilha entregue pelo hospital com os valores e iniciou parte do pagamento no mesmo dia da reunião, depositando o restante na quarta-feira.
Em nota de esclarecimento enviada à imprensa durante a semana, o Hospital de Cirurgia informou que os médicos externaram ao secretário as dificuldades técnicas para desenvolver seus trabalhos, principalmente no que se referem à falta intermitente de insumos, medicamentos variados, incluindo antibióticos, além dos atrasos reiterados no pagamento dos profissionais.

Também foi informado que a decisão em suspender as cirurgias foi tomada pelos coordenadores até que houvesse um posicionamento por parte da Secretaria Municipal de Saúde quanto às reivindicações do Hospital de Cirurgia relativas à prestação dos serviços realizados.
Segundo informações da assessoria de comunicação, a dívida da prefeitura com o hospital chega a mais de R$ 6 milhões, incluindo serviços realizados pelo hospital desde 2012.  
A SMS diz que as dívidas que estão sendo cobradas, em grande parte, são de 2012 e metade dos valores apresentados na planilha do hospital não tem comprovação.