Professores pressionam governo para conseguir reposição do piso

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 17/06/2014 às 00:44:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

Os professores da rede estadual estão com as atividades paradas há 15 dias e continuarão assim por tempo indeterminado. A decisão ocorreu ontem, 16, no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (IHGS), em Assembleia Geral e Extraordinária, na qual a categoria fez uma avaliação da versão preliminar da proposta do Governo que permita viabilizar a restruturação da Carreira do Magistério, conforme consta no expediente encaminhado ao Sindicato pelo secretário da Fazenda, Jeferson Passos, no dia 9 de junho.
Para a categoria o Governo do Estado não apresentou ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Oficial do Estado de Sergipe (Sintese) uma proposta oficial que busque recompor a carreira do magistério da rede estadual desestruturada desde 2012. Os educadores da rede estadual estão com suas atividades paralisadas desde o dia 2 de junho.
Na ocasião, os docentes deliberaram ainda que amanhã, quarta-feira, haverá nova assembleia, às 9h no IHGS para avaliar a paralisação. Após a reunião os professores irão a Assembleia Legislativa de Sergipe acompanhar a apresentação do secretário da Fazenda, Jeferson Passos, sobre os gastos do último quadrimestre financeiro de 2013. Os professores buscarão audiência com o secretário para galgar a reconstrução da carreira do magistério.
Em audiência ocorrida no dia 5 de junho as equipes da Secretaria da Fazenda (Sefaz), Secretaria de Planejamento de Orçamento e Gestão (Seplag) e Secretaria de Estado da Educação (Seed) apresentaram a direção do Sintese um cenário para viabilizar a reorganização da carreira do magistério. De acordo com os representantes do governo, em linhas gerais, os estudos para a reconstrução da carreira dos professores da rede estadual estariam sendo conduzidos para a adoção de uma regra que permita, a partir de 2015, a valorização da remuneração dos professores. Esta valorização se daria por meio do repasse aos salários de percentual correspondente à diferença entre o crescimento de receita e de despesa do magistério apurados no ano anterior.

Ceac - Os Centros de Atendimento ao Cidadão (Ceac) continuam com seu atendimento prejudicado por conta da greve dos servidores que completa hoje, 17, seis dias. Quem precisa de nova RG, Carteira de Trabalho, solicitar Seguro Desemprego e Cadastro para novos empregos e de requisição de consultas e exames do Ipesaúde deve procurar os órgãos de origem de cada serviço.
Os 130 servidores dos Ceac reivindicam o auxílio alimentação, no valor de R$ 350,00. A categoria se reuniu ontem, à noite, em assembleia para discutir se retornam às atividades. Até o fechamento do jornal não havia decisão.
Antes de iniciar a assembleia, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Público do Estado de Sergipe (Sintrase), Waldir Rodrigues, contou que iria apresentar aos trabalhadores um documento enviado pela Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão. "Vamos comunicar que o Governo se comprometeu em colocar um sistema de segurança no Ceac da Rodoviária, pois lá há muitos casos de agressão verbal e física aos servidores, porém, no tocante ao ticket eles colocam dificuldade jurídica para pagar. Não conseguimos avançar nessa negociação", contou.
Waldir acredita que o secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, João Augusto Gama, tentará acabar com a greve. "Eles devem estar pedindo a ilegalidade da greve, mas vamos continuar reivindicando nossos direitos", antecipou o sindicalista.