Bairro América registra quatro incêndios em cinco meses

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2014 às 00:42:00

Milton Alves Júnior
miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br

Moradores do bairro América, em Aracaju, andam preocupados com os incêndios em residências e pontos comerciais que foram registrados ao longo dos últimos meses. Na manhã de ontem um problema na rede de eletricidade de um ponto de revenda de material didático causou um curto circuito no estabelecimento e os próprios moradores tiveram que minimizar os danos enquanto não chegava uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar (CBM/SE). Já no último dia 19, um incêndio causou destruição e muita correria na cçasa de número 319, situada na Rua José Pereira de Oliveira. O sinistro registrado na manhã de ontem foi o quarto em menos de cinco meses.

Diante de uma avaliação feita pelos agentes do CB, as crianças e os problemas estruturais são os principais responsáveis pelas ocorrências. De acordo com o agente Moura, é preciso que os moradores adotem com frequência ações de vistoria na rede de eletricidade e fornecimento de internet sem fio, pois eles podem aquecer e provocar danos irreparáveis para a população. Segundo ele, neste período de festejos juninos é necessário que o cuidado com as crianças seja redobrado a fim de inibir princípios de incêndios, como foi registrado na manhã de ontem. Além dos tradicionais fogos, as velas tem se tornado a vilã dos incêndios e é preciso deixar longe do alcanço das crianças.
"Não estamos garantindo que esse foi o caso desse chamado, mas é comum a criança ter a curiosidade de ver uma vela acesa, querer pegar e acabar derrubando em cima de estofados ou móveis fabricados com madeira. Outra dica é sempre botar um prato embaixo das velas para evitar o contato direto com o produto que ajude a espalhar o fogo", declarou. O primeiro registro foi protocolado no dia 19 de fevereiro e também foi considerado um incêndio de pequenas proporções, destruindo parcialmente uma casa na Rua Maria Pureza. O segundo episódio foi no dia 25 de março. O incêndio foi registrado durante a madrugada por vizinhos que rapidamente acionaram o Corpo de Bombeiros.

Casos - Na manhã de ontem a Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), divulgou o número de vítimas de queimadura entre os dias 23 e 24 de junho. Ao todo, conforme balaço apresentado, foram registrados 29 atendimentos. Uma redução de sete casos se comparado com o mesmo período do ano passado, quando foram protocolados 36 ocorrências. Compartilhando com as declarações do agente Moura, além dos fogos de artifício, foram registrados casos de queimaduras por líquidos aquecidos, alimentos quentes e substâncias inflamáveis.

Apesar da redução no número de atendimentos, os traumas causados em crianças apresentou um crescimento de 50% também se comparado ao período junino de 2013. No ano passado, conforme declarado pela coordenadora médica do serviço de cirurgia plástica do Huse, Moema Santana, das oito amputações de dedos e membros, cinco foram em adultos e três em crianças. Já este ano, o número de crianças dobrou saindo de três para seis, enquanto que, em adultos, caiu para dois. Este ano, dos 29 atendimentos registrados, 11 pacientes tiveram a necessidade de internação para tratamento de forma mais intensa.
"É preciso triplicar os cuidados para que os festejos na noite de São Pedro não sejam tão preocupantes como foi São João, tanto nas unidades particulares de saúde, como lá no Huse, como foi informado pelo hospital", declarou o médico Emerson Fontes.