Feridos em tiroteio melhoram, mas continuam internados no Huse

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/07/2014 às 00:45:00

Dois dos feridos do tiroteio ocorrido anteontem dentro de um micro-ônibus da Coopertalse, na rodovia SE-230, entre as cidades de Siriri e Rosário do Catete (Vale do Cotinguiba), continuam internados no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no bairro Capucho (zona oeste da capital). No entanto, o estado de saúde deles melhorou e, na tarde de ontem, havia a garantia de que eles seriam transferidos para a Ala Verde, onde continuarão em tratamento. O cobrador Rafael Rodrigues de Oliveira, que foi baleado no pescoço, passou ontem à tarde por exames de broncoscopia, para verificar se houve lesões nas vias respiratórias. Segundo a assessoria do Huse, ele não corre o risco de ficar paralítico, porque a bala não atingiu a coluna cervical.  

O outro paciente é o ex-presidiário Elvis Max de Jesus da Silva, 23 anos, que tentou assaltar o ônibus e deu o tiro contra o cobrador, mas foi atingido por quatro disparos no peito, no ombro e na perna. Os tiros foram dados pelo policial militar Luiz Alberto Dantas da Silva, soldado do Pelotão Especial de Policiamento em Área de Caatinga (Pepac), que estava de folga e reagiu à tentativa de assalto, mas foi baleado na perna. Ele foi socorrido ao Hospital da Polícia Militar e já recebeu alta. O assalto é investigado pela Delegacia de Rosário do Catete e não está descartada a participação de um segundo assaltante.

Elvis passou por uma drenagem nos ferimentos e também foi para a Ala Verde, mas está internado sob custódia da polícia. Segundo o capitão Jorge Cirilo, do 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), o preso já tem outras passagens na polícia. "Ele é traficante, comanda o tráfico em um bairro da cidade de Rosário, já foi preso por uma tentativa de latrocínio semelhante a esta e tem uma ficha criminal vasta", disse ele, acreditando que os disparos foram feitos sem motivos. No momento do assalto, ele estava armado com um revólver calibre 32 e tentava levar a renda do micro-ônibus. "O Elvis tem sangue frio. Não havia motivo de ter ele ter feito o disparo contra o cobrador, já que ele tinha levado a renda e algum dinheiro dos passageiros", disse o capitão.

O oficial também elogiou a conduta do soldado do Pepac, ao dizer que ele "agiu com coragem, astúcia e destemor, esperando o momento certo para neutralizar o delinquente da forma correta, sem atingir outros passageiros". Cirilo informou que irá entregar um relatório do caso ao Comando da PM, pedindo que Alberto seja promovido por ato de bravura. Um procedimento para isto deve ser aberto ainda nesta semana pela corporação. (Gabriel Damásio)