Um dia de fúria

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/07/2012 às 14:30:00

Há duas maneiras de encarar a depredação de dois ônibus da empresa Viação Cidade de Aracaju, ocorrida ontem, em um dos terminais de integração do sistema. A atitude dos usuários pode ser tomada como um ato gratuito, expressão de vandalismo puro e simples, ou como uma reação desesperada aos abusos impostos pelas empresas representadas pelo Setransp desde sempre. Não custa lembrar que, no dia anterior, um ônibus da empresa Tropical quebrou o eixo dianteiro por falta de manutenção em plena avenida Ivo do Prado e quase provocou um acidente sem precedentes.

No clássico do diretor Joel Shcumacher que intitula esse editorial, um homem desempregado chega ao seu limite durante um congestionamento e resolve combater a escória da sociedade com as próprias mãos. No caso do transporte coletivo colocado à disposição do cidadão aracajuano, a gota d'água deve ser atribuída à morosidade da Prefeitura Municipal de Aracaju, aparentemente incapaz de sobrepor o interesse da população ao descaso das empresas de ônibus que operam na capital.

É preciso reconhecer que a atual administração não é partidária do desprezo corrente por pedestres e ciclistas, observado na precariedade das paradas de ônibus e escassez das ciclovias por aí afora. No entanto, iniciativas pontuais, embora revestidas do espírito crítico necessário para produzir as transformações necessárias, ainda são insuficientes para interferir de maneira efetiva na qualidade de vida da cidade.

Anos se passaram, mandatos expiraram e, até agora, a abertura de licitação para contratar e estabelecer parâmetros aceitáveis para o serviço de transporte coletivo de passageiros, por exemplo, não passou de lorota. Nem o então prefeito e atual governador Marcelo Déda (a quem deve ser creditado o mérito de levantar a bandeira), nem o seu sucessor, Edvaldo Nogueira, foram além das boas intenções no que diz respeito à adoção da medida, apesar da reconhecida necessidade de alguma iniciativa.

Dias podem virar semanas. Se nenhuma providência for tomada, a reação do povo pode estar apenas começando.