POLA NEGRI

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
SENSUAL E MISTERIOSA, ASSIM ERA POLA NEGRI
SENSUAL E MISTERIOSA, ASSIM ERA POLA NEGRI

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/07/2014 às 00:54:00

TAKE 67

Pola Negri foi a primeira atriz europeia a ser levada para os Estados Unidos, tendo recebido uma consideração toda especial.

Barbara Appolonia Chalupec nasceu em Yanowa, Polônia (ou, segundo outras fontes, em Bromberg, Polônia), em 21 de dezembro de 1894..
Após triunfos artísticos nos filmes "Carmen"(1918) e "Madame Dubary" (1919), ambos na Alemanha, foi para Hollywood, em 1921, levada pelo talentoso diretor Ernest Lubitsch, que a tinha dirigido nos filmes citados acima.

Contratada pela Paramount, que dispendeu uma fortuna em promovê-la, trabalhou inicialmente em "A Bela Diana" e em "Beijos que se Vendem", dirigidos por George Fitzmaurice.
Seus desempenhos na tela e fora dela, eram difíceis de separar. Nas telas era considerada uma vamp que levava suas presas ao perigo e ao pecado. No filme "Homens" (1924), a legenda publicitária proclamava:

"A MULHER FATAL QUE FAZ OS HOMENS SOFREREM".

Essa estrela - que nos meados dos anos 1920 se constituía uma ameaça à popularidade da diva Gloria Swanson, foi uma das heroinas do cinema mudo, que já estava chegando ao fim, com o advento, em 1930, dos filmes sonoros. Nos Estados Unidos, dos 23 mil cinemas existentes, 8.800 já estavam aparelhados para a grande novidade. Antes disso, porém, o índice médio de audiência já era de 90 milhões de espectadores, e o preço médio do ingresso, 23 centavos de dólar.
O nome Pola Negri é conhecido e reverenciado pelas novas gerações pela exibição de seus filmes nos festivais ou salas de arte.
Na década de 1930, a estrela volta à Europa, onde, na Alemanha, interpreta com real destaque, o filme "Mazurka" (1935), de Will Forst.
Durante a Segunda Guerra Mundial, às vésperas da queda da França (1940), retorna ao Estados Unidos, do qual já não podia mais se separar por muito tempo. Já se sentia mais americana do que polonesa, por razões óbvias.

Pola Negri nunca se casou, o que fazia com que os fofoqueiros de plantão duvidassem de sua feminilidade. Se hoje é difícil para uma artista sair do armário, imagine naquela época, onde predominava a hipocrisia e o falso moralismo. Afinal a sociedade norte-americana sempre foi e continua sendo, de um puritanismo exacerbado. Muitos outros atores e atrizes foram vítimas desse condenável puritanismo, entre eles, Rodolfo Valentino, Greta Garbo, Cesar Romero, Tyrone Power, Esther Williams e Don Ameche.
Polêmicas à parte, o certo é que, com sua beleza inconteste, Pola Negri, em sua vida sentimental, despertou o desejo e as atenções de Charles Chaplin, que certa feita, venceu um concurso interno da United Artists, que escolheu o ator mais bem dotado. Não deu outra: Charles Chaplin. O baixinho era pequenino apenas na estatura, se é que o (a) leitor (a) me endente...
Os jornais da época noticiaram: "A Rainha da Tragédia" envolve-se com o "Rei da Comédia". Se Chaplin conseguiu levar a poderosa vamp pra cama, nunca ninguém soube ao certo. Mistério...
Pola Negri faleceu de pneumonia em San Antonio, no estado do Texas, em 1º de agosto de 1987.
(Resumo do capítulo 67 do meu livro inédito, "101 Ícones do Cinema que Nunca Sairão de Cena")