"Manutenção da Selic em 11% prejudica setor produtivo e valoriza especulação"

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
José Souza, presidente do Sindicato dos Bancários
José Souza, presidente do Sindicato dos Bancários

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/07/2014 às 16:07:00

O presidente do Sindicato dos Bancários (SEEB/SE), José Souza, criticou a manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 11 % ao ano,  anunciada na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, ocorrida na última quarta-feira, dia 16. Já é a segunda vez consecutiva que a taxa é mantida.
A Selic alta favorece a cobrança de altas taxas de juros pelos bancos. "A manutenção da Selic em 11% prejudica o setor produtivo e valoriza a especulação. Os beneficiados são os bancos, os rentistas e os grandes especuladores financeiros", critica o presidente do SEEB/SE, José Souza.

Segundo pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), desde abril de 2013, quando a Selic saiu de 7,25% ao ano, a taxa de juros dos bancos subiu 15,27% no período. Os juros do cartão de crédito passaram em média de quase 193% ao ano para 238,67% ao ano, uma alta de 23,7%.