O efeito Sukita

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2014 às 00:38:00

rittaoliveira@jornaldodiase.com.br  -  rittaoliveira@uol.com.br

Em 3 de junho passado a população sergipana foi surpreendida logo cedo com a notícia da prisão do ex-prefeito Manuel Sukita (Capela) por lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos. Junto com Sukita também foram presos na Operação POP, desenvolvida pela Polícia Federal e a Polícia Civil, a sua mulher Sylvanny Yanina Mamlak Sukita, a irmã Clara Miranir Santos e o seu ex-secretário de Finanças José Edivaldo dos Santos.

O Estado ficou em polvorosa mesmo sabendo que um dia isso poderia acontecer, pois era de conhecimento público que nos dois últimos dias do seu mandato o próprio Sukita foi ao banco e sacou mais de R$ 1 milhão com a justificativa de que o dinheiro era para pagar fornecedores. Sacou metade no dia 29 de dezembro de 2011 e a outra metade no dia 30. O recurso de R$ 1.221.440 havia sido depositado dias antes na conta da prefeitura, pelo Ministério da Educação, para compra de ônibus escolares.

Em uma disputa política, o deputado estadual Augusto Bezerra (DEM) chegou a abordar esse assunto na Assembleia Legislativa. Ele, inclusive, exibiu no plenário da Casa filmagens com o ex-prefeito saindo do banco carregando a mala preta cheia de dinheiro público como se fosse dele.
Mais de dois anos depois desse gesto bizarro, de quem acredita na impunidade e de que o crime compensa, Sukita finalmente foi preso. Em depoimento à polícia confirmou o saque de mais de R$ 1 milhão dizendo que foi para pagar fornecedores, que foram ouvidos e disseram que não receberam qualquer pagamento pelos serviços que prestaram.

Fora o saque indevido do dinheiro, a polícia comprovou desvio de recursos da educação e da saúde. O delegado Roberto Laureano Cury chegou a explicar como eram realizadas as transações. "A quadrilha movimentava o valor entre diversas contas da prefeitura que envolviam recursos federais, estaduais e próprios. Esses valores eram sacados em dinheiro em grande quantidade e de forma sistemática e alguns desses valores supostamente, ou aparentemente, iam para as contas desses investigados e eram usados na aquisição de patrimônios para eles".

Mesmo diante de todas as acusações, após 40 dias detido no Presídio de São Cristóvão, Sukita conseguiu um habeas-corpus junto ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região e, consequentemente, conquistou a liberdade.
Ao invés de ficar quieto e envergonhado pelos crimes que está sendo acusado, Sukita foi para a imprensa posar de vítima e anunciar o seu desejo de ser candidato a deputado estadual, conforme projeto político anterior antes de ser preso.

Como não poderia ser diferente, não teve o apoio do seu partido, o PSB. As lideranças da legenda temiam um desgaste político nesta campanha eleitoral, que pode respingar na imagem do partido e da coligação. A proposta era que a mulher Sylvanny fosse a candidata, mesmo tendo sido presa junto com o marido. O entendimento é que o desgaste seria menor.
Como o ex-prefeito não aceitou, ontem o PSB acabou sendo obrigado a lhe conceder o direito de ser candidato na vaga do seu irmão João Batista Santos, que havia solicitado o registro junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) e renunciou. O anúncio foi feito ontem durante entrevista coletiva à imprensa, pelo secretário geral do partido, Jorge Rabelo.

Querendo amenizar o impacto negativo da decisão, Rabelo informou que o PSB abrirá um processo ético-disciplinar para apurar as denúncias contra Sukita. Disse ainda que o partido convocou a Comissão de Ética para que instaure o processo paralelo ao que está sendo feito pela polícia e Ministério Público Federal e, havendo comprovação das acusações imputadas a ele, seja aplicada advertência e até expulsão do partido.
Com Sukita agora candidato a deputado estadual, resta saber o tamanho do desgaste político para o PSB e coligação ...

Contra e a favor
Segundo um dirigente do PSB, o senador Valadares e o deputado federal Valadares Filho, que prezam muito pela ética, integraram o bloco dos contrários à candidatura de Sukita a deputado estadual. Já outra parte do partido entendia que o prejuízo podia ser maior ele não sendo candidato. O bloco de candidatos da coligação se mostrou também favorável a candidatura, pela quantidade de votos que o ex-prefeito pode ter.

Números
Terminou ontem o prazo para substituição de candidaturas pelos partidos políticos ou as coligações que tenham candidatos às eleições gerais de 2014, por motivo de indeferimento ou renúncia ao direito de ser candidato. O secretário judiciário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Marcos Vinícius Linhares, informou que teve apenas oito pedidos de substituição de candidaturas. Um dos candidatos que substituiu alguém foi Sukita.

Mais um
O candidato a deputado federal Peixe, da Coligação Sergipe Meu Amor (PP / PTB / PSL / PSC / PR / PPS / DEM / PHS / PTC / PV / PSDB / Pen / PT do B / Sd), desistiu da sua candidatura após análise do quadro político. Vai apoiar o candidato à Câmara dos Deputados, Nilson Lima (PPS), e, inclusive, ser o coordenador da sua campanha na região sul do Estado.

Dados
Na eleição de 2010, Peixe teve mais de 10 mil votos para deputado federal, sendo o primeiro suplente da coligação. Em 2012 foi candidato a prefeito de Itabaianinha, perdendo a eleição por pouco mais de 100 votos. Nilson Lima está satisfeito com a adesão de Peixe à sua candidatura.

Na disputa
O deputado federal Almeida Lima (PDT) segue firme na campanha para deputado estadual. "Faço uma campanha no varejo, sem comícios, mas andando e conversando muito com as pessoas. Não sou candidato majoritário, mas proporcional", disse à coluna.

Será?
Chegou à coluna a informação de que o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) fechou acordo com o prefeito João Alves (DEM) para apoiar a reeleição da senadora Maria do Carmo Alves (DEM) e também a candidatura a governador de Eduardo Amorim. Edvaldo é candidato a deputado federal pela coligação de Jackson Barreto. Um aliado do governo estava estarrecido com essa informação. Segundo ele, já havia suspeita que poderia apoiar Maria do Carmo pelo fato de não votar com o candidato ao Senado, Rogério Carvalho (PT), mas não Amorim.

Novo secretário
Com graves problemas na saúde pública em Aracaju, inclusive com fechamentos de UPAs, falta de médicos e medicamentos nos postos de saúde, o terceiro secretário municipal da pasta na gestão do prefeito João Alves (DEM), o Alvimar Rodrigues, deixou o cargo. Foi empossado ontem no seu lugar o atual secretário municipal da Fazenda, Luciano Paz Xavier, que passa a acumular os dois cargos.

Oficial
A versão oficial é que Alvimar Rodrigues precisou pedir o afastamento do cargo de secretário por conta de problemas de saúde. "Não somos nós que estamos afastando. Ele nos informou que estava com problemas de saúde e que as funções do cargo, diante do estado dele, contribuiriam negativamente para a sua recuperação. Não há magoa, não há nenhum mal estar. Eu lamento pela saúde dele, lamento que estamos perdendo uma pessoa que fez um trabalho muito sério e merece nosso respeito, mas isso pode acontecer com qualquer um de nós", afirmou o prefeito João Alves.

Não oficial
A versão não oficial é que Alvimar não aguentou os problemas na área de saúde, e, principalmente, as críticas de aliados do prefeito João Alves. Anteontem mesmo, na Câmara Municipal, o vereador Agamenon Sobral (PP) criticou a saúde e a gestão do secretário que deixou a pasta.

Mais críticas
Já ontem, na Rádio Cultura, no programa de Claudio Leite e Flavio Lima, o vereador Agamenon disse que a saúde pública em Aracaju está pior que na gestão passada. Há alguns meses foi o vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB) quem falou que piorou a saúde pública na capital.

Meta
Após ser empossado, Luciano Paz afirmou que pretende lançar o edital das Organizações Sociais (OSs) até o final desse mês e que deve funcionar nas duas Unidades de Pronto Atendimento. "Com as OSs, o cidadão vai ser atendido com qualidade, mas antes delas, nós já queremos resolver isso, não vamos esperar que se conclua. Nosso foco vai ser nessas duas unidades, para que tenhamos uma melhora sensível no atendimento e o cidadão não chegue lá e não tenha médico ou não tenha enfermeiro".

MST
Integrantes do assentamento Mario Lago I, em Riachuelo, receberam o candidato a deputado estadual pelo PT, Sílvio Santos. O ex-chefe da Casa Civil levou suas propostas aos moradores daquela comunidade. "Assumo aqui o compromisso de, enquanto deputado, estreitar ainda mais as nossas relações sobre as demandas que abrangem a luta dos trabalhadores rurais", disse.

Decisão
O Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional (CCS) aprovou ontem parecer favorável apresentado pelos conselheiros Celso Augusto Schröder, Alexandre Kruel Jobim e Ronaldo Lemos, às Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 206/12 (33/09 no Senado) e 386/09, que determinam a exigência de diploma para exercício da profissão de jornalista.

Inconstitucional
O exercício profissional do jornalismo é regulamentado pelo Decreto-Lei 972/69, por sua vez regulamentado pelo Decreto 83.284/79. A regulamentação da profissão previa a formação de nível superior específica em jornalismo como requisito para o exercício profissional, mas foi modificada por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2009, que considerou a exigência inconstitucional a exigência do diploma de jornalismo e o registro profissional no Ministério do Trabalho como condição para o exercício da profissão.

Veja essa...
Com a nomeação de quatro secretários para a Saúde Municipal de Aracaju não faltou ontem chacotas, nas redes sociais, com relação à administração do prefeito João Alves. O foco era "João Alves prometeu mudar a saúde em seis meses, mas na verdade ele quis dizer que iria mudar o secretário a cada seis meses". 

Curtas
Já passaram pela Secretaria Municipal de Saúde a deputada estadual Goretti Reis, a enfermeira Leane de Carvalho Machado e Alvimar Rodrigues.  

O candidato a governador Jackson Barreto retornou ontem à noite a Aracaju. Estava em Brasília desde a terça-feira cumprindo agenda de governo e em reunião com a cúpula do PMDB sobre sua campanha. Membros da coligação realizaram caminhada no centro da cidade e panfletagem.
Na agenda de hoje do candidato a governador Eduardo Amorim consta panfletagem, às 8h, no cruzamento das avenidas João Ribeiro com Simeão Sobral. Às 10h e às 14h reunião com lideranças e às 19h, um evento das Mulheres, na Assembleia de Deus, no Siqueira Campos.

Pelo interior do Estado tem dois irmãos dizendo que são irmãos de um parlamentar e que é filho de um ex-parlamentar, que tenta retornar ao legislativo. A esposa promete entrar com pedido de DNA.