Campos defende inovação do setor industrial para combater desemprego

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/08/2014 às 00:52:00

Marli Moreira
Agência Brasil

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, defendeu ontem medidas de curto prazo para tentar reverter o baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país). Uma das medidas que pretende adotar, se for eleito, é redirecionar o foco das linhas de financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fortalecer a capacidade de produção industrial, disse em encontro com executivos ligados à Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (Abimaq).
“Estamos vivendo um processo de desindustrialização, e os melhores empregos no Brasil estão sendo perdidos. Só no último semestre, a indústria de bens de capital, formada pelas fábricas que fazem as fábricas, reduziu em 30% suas vendas. É uma situação de UTI, e precisamos ter medidas de curtíssimo prazo e de médio e longo prazos para salvar a indústria brasileira”, disse Campos em entrevista coletiva.
O candidato comparou a idade média das máquinas nas empresas brasileiras com as dos com os Estados Unidos. Segundo ele, no Brasil, a média é 17 anos e, nas companhias americanas, sete. Sem investir na área produtiva, o Brasil vai “continuar derretendo empregos”, afirmou.

Campos disse que a economia do país só vai deslanchar quando a competitividade aumentar e que, para isso, o BNDES tem papel fundamental, no sentido de fomentar a renovação do parque fabril. Para ele, essa função foi alterada pela escassez de recursos que se seguiu logo após a crise financeira mundial,  em 2008. No entanto, advertiu que é necessário buscar novos canais para o crédito necessário ao investimento no setor privado.
Embora tenha sido aplaudido em alguns momentos como, quando defendeu uma política desoneração, o candidato deixou no ar algumas respostas sobre medidas que pretende tomar para estancar juros e dar equilíbrio às oscilações cambiais. “Não se baixa juro por decreto”, afirmou Campos, deixando subentendido que esta é uma questão a ser ajustada pelo próprio mercado.