Quatro sergipanos presos por tráfico em Suape

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/07/2012 às 14:36:00

Quatro sergipanos foram presos na noite desta terça-feira em Gaibu (PE), acusados de integrar uma quadrilha de traficantes que agia na região do Complexo Industrial Portuário de Suape, um dos maiores e mais importantes do país. José Domingos de Jesus, de 33 anos; Adenilson Santos Sales, 33; Fábio Andrade, 26; e Suyanderson Carlos dos Santos, 20, são de Aracaju e estão entre os detidos na 'Operação Suape', deflagrada pela Polícia Civil pernambucana. Além deles, foram presos os potiguares Clênio Silva Santiago, 23; Francimário Ricardo Galdino da Cunha, 27; e Cristiano Apolinário da Cruz, 25, ambos de Natal (RN), que foram encontrados em Ipojuca, na mesma região de Suape.  

O grupo foi investigado durante cerca de 40 dias, pela Delegacia de Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife. Segundo o delegado responsável Antônio Resende, a polícia recebia denúncias sobre a intensa venda de drogas a usuários da região do Porto de Suape, inclusive funcionários de empresas instaladas no complexo. Essa venda, de acordo com Antônio, contava com um inusitado serviço de entrega por telefone. "Eles tinham uma 'shineray' que era muito conhecida aqui em Gaibu e fazia uma espécie de 'disque-crack' ou 'disque-pó'. Havia muitas denúncias de que o tráfico estava muito solto naquela área de Suape e com muita gente de fora, de Sergipe, do Rio Grande do Norte, da Bahia e até mesmo aqui de Pernambuco", disse ele.

Três dos sergipanos suspeitos foram presos em uma casa na cidade de Gaibu, que servia como base para a quadrilha e foi descoberta quando os policiais investigavam os trajetos da motoneta. "Nós conseguimos localizar a casa desse alvo, depois que os suspeitos tinham acabado de fazer uma entrega de drogas a um usuário", disse o delegado, ao informar que, com o grupo, os policiais apreenderam 110 gramas de cocaína pura, uma faca e R$ 137. O quarto sergipano e os potiguares foram encontrados em Ipojuca, com quatro quilos de maconha prensada, telefones celulares e um caderno onde era registrada a contabilidade das drogas que eram vendidas. "Nem faziam questão de disfarçar as anotações, colocavam (no caderno) 'pó', 'tantas gramas', 'tantos reais'", relatou Resende.

Um aspecto chamou a atenção dos policiais pernambucanos: cinco dos sete acusados trabalham em empresas do Complexo de Suape e, com carteira assinada, ganham um salário médio de R$ 3 mil por mês. Para o delegado, o emprego era usado pelos acusados como 'fachada' para o envolvimento com o tráfico. "Várias pessoas de vários lugares usavam seu emprego em Suape para ter uma empreitada criminosa ou uma vida paralela", afirmou Resende.

O grupo preso na 'Operação Suape' vai ficar detido no Centro de Triagem de Abreu e Lima (Cotel), no Grande Recife, onde ficarão à disposição da justiça pernambucana. O delegado de Cabo do Santo Agostinho confirmou que já repassou informações dos sergipanos presos para a Polícia Civil sergipana e disse ser "muito grande" a possibilidade de eles já terem sido investigados por Aracaju. Procurada pelo JORNAL DO DIA, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não confirmou oficialmente esta informação. (Gabriel Damásio)