Homem mata a ex-esposa e se suicida em Estância

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/08/2014 às 00:32:00

Uma nova tragédia passional volta a chocar os sergipanos. Desta vez, ela aconteceu em plena via pública, no Loteamento São Jorge, periferia de Estância (Sul). A funcionária pública Beatriz Ramos de Jesus, 51, foi assassinada a tiros pelo próprio ex-marido, Elízio da Silva, 47, com quem ela tinha convivido por mais de 20 anos. Em seguida, ele se matou com um tiro na cabeça, caindo ao lado do corpo da vítima. A polícia local apura o caso, mas acredita que tudo aconteceu porque Elízio não aceitava o fim do relacionamento. Esta também é a convicção dos familiares do casal, apesar de estes divergirem sobre o real motivo das mortes.

Testemunhas informaram à polícia que Beatriz e o ex-marido estavam caminhando pela rua, perto da casa dela e tinham uma conversa aparente normal. De repente, a conversa evoluiu para um bate-boca entre os dois e, quando a servidora deu-lhe as costas, Elízio sacou um revólver e abriu fogo, matando-a na hora. Em seguida, ao ver que seria detido por algumas pessoas que viram o crime, o autor cometeu suicídio. O local ficou apinhado de curiosos e foi isolado pela Polícia Militar até a retirada dos cadáveres pelo Instituto Médico-Legal (IML).

Durante os 20 anos de convivência, o casal teve dois filhos, sendo um de oito anos e outro de 19. No entanto, o relacionamento terminou no começo do ano, por causa de um relacionamento extraconjugal. Parentes de Beatriz afirmam que ela tomou a decisão porque vinha sendo ameaçada com frequência, chegando até a ser agredida em algumas ocasiões. "Viviam muito mal, não se suportavam. Ela já não queria mais ele e ele insistia, a ameaçava direto", desabafa uma parente da vítima. Mas alguns parentes de Elízio negam que ele tenha a agredido apontam outro motivo: o autor dizia que a ex-mulher estaria dificultando o acesso aos filhos, além de se negar a reatar o casamento.
A Delegacia Regional de Estância informou que nenhuma queixa de violência doméstica envolvendo o casal havia sido registrada. Mesmo assim, um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da tragédia. Os corpos do casal foram enterrados ontem à tarde em Estância.

Maruim - Também na tarde de ontem, a polícia confirmou a prisão de José Nilton dos Santos, o "Galego", 34, autor do assassinato de sua ex-companheira, Eliene da Silva Gonçalves, 29, que aconteceu na última segunda-feira em Maruim (Vale do Cotinguiba). O acusado se entregou na Delegacia Plantonista (Centro), depois de ter passado a semana escondido em um matagal, conforme informações da polícia. Ele confessou ter matado Eliene a tiros, mas alegou que não se lembrava do que aconteceu e que tinha bebido muito antes de cometer o crime.

O argumento não convenceu o delegado João Martins Cunha, que ouviu o depoimento do réu confesso na Plantonista. Segundo ele, trata-se de uma estratégia de defesa de Nilton, que já teve a sua prisão preventiva decretada pela Justiça. Ele está detido na Plantonista e aguarda transferência para um presídio. Martins também explicou que o crime foi motivado por um ciúme excessivo de Nilton em relação à esposa.
"Ele disse que cometeu o crime pelo fato de ela estar saindo muito de casa e, por isso, algumas pessoas lhe faziam gestos indicando que ele poderia estar sendo traído por ela. O nível de ciúme era tão alto que a vítima poderia só tomar banho com a presença dele em casa e só depois que ele constatasse que não tinha sido traído", resume o delegado, acrescentando que o acusado chegou a fazer treinamentos de tiro nos fundos do sítio onde morava. A arma não foi encontrada. Eliane foi morta em casa com cinco tiros.