Escolha do substituto de Campos será segunda-feira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/08/2014 às 00:33:00

Carolina Gonçalves
Agência Brasil

Dirigentes do Partido Socialista Brasileiro (PSB) devem se reunir na próxima segunda-feira (18), no Recife, para definir a substituição de Eduardo Campos na disputa à Presidência da República, nas eleições deste ano. Campos morreu terça-feira (13), vítima de um acidente aéreo, em Santos (SP). A realização ainda depende do dia em que o ex-governador de Pernambuco for enterrado.

A informação sobre o futuro da chapa que era encabeçada pelo socialista foi divulgada ontem (15) pelo deputado Gonzaga Patriota (PE), que está na capital pernambucana. "A reunião está confirmada", afirmou. A escolha depende de aprovação das executivas dos partidos que participam da coligação que sustentava a candidatura de Campos.

Até o final da manhã de ontem, a previsão era que a reunião da Executiva do partido ocorresse na quarta-feira (20) em Brasília. "Mas, se o enterro ocorrer no domingo, vamos nos reunir na segunda-feira mesmo, aqui no Recife, já que o Brasil inteiro está aqui", antecipou à Agência Brasil.
Patriota evitou prever o resultado desse encontro, mas defendeu o nome de Marina Silva. "Não posso falar pelo partido mas acredito que, quando a gente confia em uma pessoa e coloca essa pessoa como vice, como Eduardo fez com Marina, não vejo como os seguidores de Eduardo não definirem como prioridade o desejo de ter Marina como sua substituta. Se coloco alguém como meu vice, é porque essa pessoa é de minha inteira confiança", avaliou.

Para o parlamentar, a ex-senadora representa a solução mais viável para o partido, mas Patriota evitou cravar o nome mais provável para compor a chapa como novo vice, na chapa com Marina na coligação Unidos Pelo Brasil (PSB, PPS, PPL, PHS, PRP, PSL).
Pelas regras da Justiça Eleitoral, os partidos têm dez dias para indicar um substituto para seu candidato, em caso de morte. A legislação aponta como preferência para substituição um integrante do mesmo partido, o PSB, ao qual Marina se filiou para concorrer, após ter o registro do seu partido, a Rede Sustentabilidade, inviabilizado para estas eleições.