Museu da Gente Sergipana mostra história do cangaço

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A exposição é no Museu da Gente Sergipana
A exposição é no Museu da Gente Sergipana

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/07/2012 às 14:38:00

O Museu da Gente Sergipana, administrado pelo Instituto Banese, inaugurou na noite da última terça-feira, 10, a exposição 'Bonita Maria do Capitão', alusiva ao centenário de nascimento de Maria Bonita, mulher do cangaceiro nordestino Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. A mostra, segundo seus organizadores, visa despertar o interesse sobre a história do cangaço pela perspectiva da biografia de Maria Bonita.
A exposição apresenta painéis ilustrados com textos e fotografias que contam a história de Lampião e Maria

Bonita, do início do namoro até a morte do casal, por uma força volante comandada pelo tenente alagoano João Bezerra da Silva, na Grota do Angico, em Sergipe. Ela conta, ainda, com réplicas de objetos e objetos pessoais usados pelos cangaceiros, tais como armamentos, lenços, bolsas e bornais, alpercatas de couro e bonecas de pano, revelando o universo feminino no cangaço.

A mostra tem como curadoras a neta de Maria Bonita e Lampião, Vera Ferreira, e a professora da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Germana Gonçalves de Araújo, autoras do livro 'Bonita Maria do Capitão', lançado no ano passado com o apoio do Instituto Banese, e que deu origem à exposição.

"O nosso objetivo com a exposição é levar a história de Maria Bonita e do cangaço para o maior número de pessoas possível", disse Vera Ferreira. Segundo ela, após o encerramento da exposição no Museu da Gente Sergipana, no dia 5 de agosto, a mostra será levada para Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, entre outros Estados, com o apoio do BNB Cultural.