Concursados da PM querem mudança na lei em relação à idade limite

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/09/2014 às 02:13:00

A deputada estadual Ana Lúcia(PT) conclamou ontem aos demais parlamentares a aprovação da indicação de sua autoria que solicita ao governador do Estado que efetue mudança na Lei Orgânica da Polícia Militar do Estado de Sergipe, para que altere a idade mínima e máxima do ingresso na corporação da PM para os cargos de soldado e cadete.
"Conclamo a todos os colegas, e acredito que essa casa vai aprovar a indicação para que todos os homens e mulheres, cidadãos e cidadãs, possam ingressar na polícia militar, com muita saúde e energia até os 40 anos, porque na verdade hoje com a longevidade, com o avanço da medicina, com o avanço da prevenção da saúde, nós aumentamos a nossa longevidade", apelou.
A deputada estadual afirmou que hoje no Brasil a expectativa de vida é aos 72 anos, portanto é inconcebível que pessoas jovens, no estágio de maturidade, sejam cerceadas do seu direito de ingressar na Polícia Militar pelo limite de idade. Além disso, os concursados mostraram ao passar nas provas que estão aptos ao exercício da profissão.
A indicação apela ao governo do estado para que ele encaminhe um projeto de lei modificando a idade de 30 para 40 anos.
"Nós somos uma comissão de aprovados do último concurso da PM, fizemos o teste psicológico, fizemos um teste físico, passamos pela investigação social, de 3.000 candidatos nós ficamos entre os 1.400 restantes, e para a nossa surpresa nós fomos impedidos de seguir adiante pelo fator idade. Porque existe uma lei nº109/2005, que é uma lei complementar, que limita o ingresso na PM de 18 a 30 anos de idade, essa lei tem quase dez anos. Estudos mostram que a expectativa do brasileiro aumentou consideravelmente nos últimos 10 anos, então porque não mudar a legislação? Não conseguimos entender nem aceitar que uma pessoa com 38 anos ou 40 de idade não tenha capacidade física de exercer a função de um policial militar. O policial militar não é só colocar a arma na cintura e sair na rua, a polícia hoje tem a consciência de que tem que se tornar uma polícia cidadã, tem que andar junto com a comunidade, e aqueles com mais de 30 anos tem uma maturidade de vida", relatou Omar Rodrigues.