Ânimos diferentes

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Casais namorando na Ponte do Imperador, de Hortência Barreto
Casais namorando na Ponte do Imperador, de Hortência Barreto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/09/2014 às 00:23:00

A queda súbita nas pesquisas do candidato do PSDB a presidente da República, Aécio Neves, está arrastando os aliados estaduais, principalmente os de última hora que enxergavam a sua candidatura como contraponto a presidente Dilma, candidata à reeleição pelo PT. É o caso do senador Eduardo Amorim (PSC) que preteriu o candidato a presidente do seu próprio partido, o Pastor Everaldo, para 'inflar' a sua candidatura com o potencial de Aécio e seus aliados.

Amorim usou até a influência de Aécio para garantir que o empresário Augusto Franco Neto (PSDB) fosse liberado pelo pai, Walter Franco, para integrar a sua chapa como candidato a vice-governador. No caso, visava também o poderio econômico da família e a possibilidade de neutralizar o noticiário das emissoras Atalaia - TV e FM Mix - contra o seu grupo, o que de fato aconteceu.

Para completar a operação, garantiram o apoio do prefeito João Alves Filho (DEM) assegurando financiamento pleno para a campanha à reeleição da senadora Maria do Carmo Alves. Para isso, colocaram Ricardo, filho do ex-governador Albano Franco como primeiro suplente da chapa. E Albano não só tem se configurado como principal doador da campanha de Maria, como caiu em campo, atrás de lideranças negociando apoios, nem sempre bem sucedidos como no caso de Itaporanga. A presença de Albano também significava adquirir a simpatia da TV Sergipe à campanha do grupo.

Eduardo Amorim e seu bloco estão em campanha aberta desde 2010 quando foi eleito senador, ainda na coligação do então governador Marcelo Déda. A campanha foi planejada em todos os detalhes, uma equipe de marketing foi contratada com ampla antecedência para ensaiar todos os gestos e falas do candidato e conter a fúria nas negociações mais duras. Até o final do ano passado, Eduardo e o seu irmão Edvan já negociavam com aliados a distribuição dos cargos no Estado e não enxergavam qualquer nome que pudesse enfrentá-los nas eleições de outubro.

O governador Jackson Barreto (PMDB), ao contrário, enfrentou no início do ano uma série de turbulências para a manutenção da unidade do grupo que participou da primeira eleição do governador Marcelo Déda, mas chegou às convenções de junho com tudo pacificado, inclusive o PSB do senador Valadares. Os Amorim operavam por fora tentando forçar o PSB a ingressar na coligação com a promessa de que montariam um palanque forte para o candidato a presidente do partido. Prevaleceu a força de Valadares junto à direção nacional, e o partido permaneceu com Jackson e o PT, indicando Belivaldo Chagas como candidato a vice-governador.

Com isso, Jackson teve um início de campanha muito mais tranquilo do que seu adversário, apesar das dificuldades econômicas do governo e da unidade da maioria dos milionários do Estado em torno da candidatura Amorim. Com o início do horário gratuito, a apresentação do trabalho realizado nas duas gestões de Déda que são continuadas por Jackson e das propostas para a futura administração, além de um intenso trabalho de mobilização nas ruas, a campanha deslanchou e os resultados já são mostrados também nas pesquisas eleitorais realizadas por institutos contratados pelas emissoras de TV dos aliados de Amorim.

Hoje, a menos de 30 dias para a realização do pleito, são os irmãos Amorim que trabalham para tentar conter a perda de aliados para a candidatura de Jackson, que repete no Estado a aliança nacional com o PT. Ao contrário do adversário, que perde com a sangria de Aécio, Jackson não é afetado com o desempenho da presidente Dilma, já que ela continua liderando mesmo com o súbito crescimento de Marina, que se transformou na candidata do PSB em função da morte de Eduardo Campos.

Se o ânimo na coligação de Jackson já era grande, a pesquisa do Ibope divulgada na última quarta-feira pela TV Sergipe deu ainda mais fôlego. Os números mostram que Jackson teria 41% dos votos contra 33% do senador Amorim (PSC), podendo assegurar uma vitória em primeiro turno. Desde o estabelecimento da disputa em dois turnos para cargos executivos, em 1994, isso só aconteceu em Sergipe nas duas eleições de Déda - 2006 e 2010.

A campanha entra na reta final e a previsão do grupo de Jackson é que o adversário vai partir para o tudo ou nada e a meta é reforçar a vigilância e tomar ainda mais as ruas de todas as cidades e povoados do Estado.
Nos discursos que vem fazendo nas manifestações de campanha, Jackson é enfático: "Não podemos permitir que o estado de Sergipe seja uma banca de negócios para os interesses dos milionários". E diz ter a certeza da vitória em 5 de outubro. "É a campanha que vai marcar Sergipe como no passado".

Itaporanga
A prefeita de Itaporanga, Gracinha Garcez (PSDB), anunciou na última quinta-feira apoio às candidaturas do governador Jackson Barreto e do deputado federal Rogério Carvalho (PT), candidato a senador. Gracinha vinha sendo muito pressionada pelo ex-governador Albano Franco para que seguisse a posição do partido e passasse a apoiar Amorim e Maria do Carmo. Não conseguiu reverter.

Explicações
Durante o ato, explicou a razão: "Estamos aqui para reafirmar nosso apoio a esse projeto que está dando certo em Sergipe. Voto em Jackson Barreto porque foi na gestão dele e de Déda que Itaporanga recebeu investimentos. Eles construíram casas, Clínica de Saúde, pavimentaram a Caueira e fizeram a orla, estimulando ainda mais nosso turismo. Aqui, voto não se compra, voto se conquista. Jackson e Dilma farão ainda mais pela nossa cidade e por isso o povo de Itaporanga o apoia", disse Gracinha, também confirmando apoio aos candidatos Rogério Carvalho, Márcio Macedo e Gustinho Ribeiro.

Vox populi
A pesquisa do Vox Populi divulgada na última quinta-feira, 4, pela TV Atalaia, deixou muita gente de cabelos em pé. Jackson (36%) e Amorim (34%) apareceram com o mesmo percentual da primeira pesquisa divulgada de 31 de julho. A pesquisa mostra que diminuiu a rejeição ao candidato Jackson e aumentou a do candidato Eduardo Amorim. Na primeira pesquisa JB tinha uma rejeição de 21% e agora 19%. Já Amorim tinha uma rejeição de 13% em julho e agora em setembro ela é de 17%.
Senado
A nova pesquisa para o Senado, também da TV Atalaia, mostra a senadora Maria do Carmo, com 43% das intenções de votos (10 pontos a menos do que na sondagem anterior). O candidato do PT, Rogério Carvalho, subiu oito pontos e tem agora 18% das intenções de votos. O Professor Marques (PCB) tem 2%. Leandro (PSTU) apareceu com 2%. Bila, do PPL, tem 1%. Aqueles que declararam intenção em votar branco ou anular o voto são 18% do eleitorado. Os indecisos são 16%. A rejeição de Rogério é 14% e Maria 10%.

Plágio
Eduardo Amorim passou a adotar uma frase similar a dita pelo presidenciável Eduardo Campos (PSB) na véspera da sua morte trágica em acidente aéreo, quando entrevistado pelo Jornal Nacional: "Não vamos desistir do Brasil". Em atos políticos Amorim vem afirmando: "Eu não vou desistir nunca de Sergipe". Tem que continuar tentando convencer o eleitorado.

Diap
O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) divulgou, semana passada, prognóstico sobre a disputa pelo Senado em todo o país. Sobre Sergipe, a instituição apontou que a senadora Maria do Carmo, candidata à reeleição pelo DEM, e o deputado federal Rogério Carvalho, candidato a senador pelo PT, estão em pé de igualdade na corrida eleitoral. De acordo com o Diap, Maria e Rogério têm "boas chances" de vencer o pleito.

Razão
Para chegar a este resultado o levantamento considerou alguns fatores: 1) colocação nas pesquisas, 2) estrutura partidária (nota de 3 a 1, sendo um a nota máxima), 3) tempo de rádio e TV (nota de 3 a 1, sendo um o maior tempo), 4) poder econômico (notas de 3 a 1, sendo um a maior capacidade de captação) e 5) prognóstico. Os critérios de classificação foram: Pouca Chance, Alguma Chance, Boas Chances, Ligeiro Favoritismo e Favorito.

Animado
Apesar das pesquisas, Rogério Carvalho está cada vez mais confiante na vitória. E explica: "O sentimento que tenho visto nas ruas é diferente. As pessoas querem a mudança no Senado, elas acreditam, confiam, elas me dão esse voto de confiança. Estamos nesse caminho, vamos continuar nas ruas, no olho no olho, no contato direto, na apresentação de propostas e comparações".

Déda
No show que fez na última quarta-feira em Aracaju, na turnê comemorativa dos 40 anos do disco Acabou Chorare, dos Novos Baianos, acompanhado do filho Davi, Moraes Moreira fez questão de prestar homenagem especial ao ex-governador Marcelo Déda, morto em dezembro do ano passado. Disse que no último show que havia feito em Aracaju, Déda estava sentado na primeira fila e que depois conversaram muito. Para o cantor, Déda era "um dos poucos políticos no Brasil que ainda valia a pena". Foi muito aplaudido.

Os escândalos
A mídia nacional, capitaneada por Veja, Estadão e Folha, está criando um novo escândalo para tentar ressuscitar a candidatura Aécio Neves. Agora envolve até Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no mês passado.