Piscicultores de Pirambu recebem 31 mil alevinos do governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
HOMEM TRANSPORTA SACOS COM ALEVINOS
HOMEM TRANSPORTA SACOS COM ALEVINOS

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/09/2014 às 00:28:00

"Com esses alevinos será dada continuidade às nossas atividades. Essa é uma grande e importante ajuda para quem sobrevive da pesca. A nossa situação depois do projeto está muito boa, mas com a entrega de mais esses peixes a tendência é melhorar ainda mais. Só temos que agradecer ao Governo do Estado", reconhece Luciene Lisboa, beneficiária do projeto de piscicultura e integrante da Associação da Comunidade Participativa de Aningas e Lagoa Redonda, no município de Pirambu.

A entrega dos 31 mil filhotes de peixes foi realizada nesta sexta-feira, 12, pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides). A ação beneficiou 23 integrantes da Associação da Comunidade Participativa de Aningas e Lagoa Redonda e a 17 pessoas da Associação de Moradores do Povoado Alagamar, ambas situadas em Pirambu.

Outro beneficiário do projeto é o pescador Roberto dos Santos Araújo. Também morador do povoado Lagoa Redonda, ele afirma que a entrega dos alevinos é mais um benefício do projeto que só vem para fortalecer, agilizar e ampliar as vantagens de ser participante da iniciativa desenvolvida pela Seides. "Esse benefício tem uma importância muito grande porque possibilita que a gente continue com a criação de peixes, incrementando a nossa renda familiar. Além da entrega desses alevinos, nós já recebemos 30 tanques-rede, uma balsa flutuante e um barco motorizado. Um projeto completo que mostra a atenção e o cuidado do Governo com a gente. Muito obrigado".

De acordo com o técnico do Departamento de Renda e Cidadania (DRC) da Seides, Agnaldo dos Santos, que acompanhou a entrega dos alevinos, esse é mais um passo do projeto de piscicultura, que tem o intuito de promover a inclusão produtiva de famílias de baixa renda e inseridas no Cadastro Único, fortalecendo, dessa forma, a economia desses pequenos produtores e promovendo a inclusão social também.
"A ideia desse projeto é contemplar mecanismos que visem favorecer as potencialidades já existentes em todo o estado, de modo a incrementar economicamente os perímetros urbanos e rurais, sendo a piscicultura uma dessas potencialidades. E com o fortalecimento da atividade pretende-se minimizar a situação de vulnerabilidade social dos beneficiários do projeto, promovendo melhorias na sua qualidade de vida e a permanência dos pequenos produtores nos seus locais de origem em condição de sustentabilidade e de forma autônoma".