Ameaça de paralisação em maternidade da capital

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/07/2012 às 15:45:00

Milton Alves Júnior

Ameaçando parar as atividades por tempo indeterminado, maqueiros, recepcionistas e servidores que higienizam a Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, na Zona Norte de Aracaju, se uniram para reivindicar o pagamento dos salários atrasados e pleitear  melhores condições de trabalho.

Conforme informado pelos servidores da Transurh, empresa terceirizada que presta serviço às unidades de saúde do governo, desde o mês de janeiro desse ano que a categoria não recebe salários, nem tem direito a duas horas de folga para cada 12 horas de trabalho.

Um funcionário que não quis se identificar garantiu que há mais de dois meses os servidores tentam dialogar com os representantes da Fundação Hospitalar de Sergipe (FHS), na expectativa de que a Transurh, através do Governo de Sergipe, pudesse efetuar o pagamento. "Chegamos ao limite de paciência e decidimos cruzar os braços. Cansamos de tentar resolver tudo na base do diálogo, e perceber que poucos dirigentes tentam nos ajudar após reconhecer a nossa precária situação", disse.

Ele acrescentou que a administração estadual deve ficar mais atenta para os problemas que a Transurh vem causando aos servidores terceirizados. "É fato que muitos tentam nos ajudar. Nessa paralisação, por exemplo, foi garantido que o nosso ponto não será cortado. É bom deixar claro que nós não queremos atrapalhar o atendimento na maternidade, mas sim receber nossos direitos em dia", pontuou.

Providências - Em nota, a diretoria da Fundação Hospitalar de Saúde informou que está adotando as providências legais com dois objetivos: rvitar problemas de descontinuidade na prestação de serviços sob a responsabilidade da empresa, com a garantia dos direitos dos trabalhadores, e cumprimento de todos os acordos contratuais, que são de responsabilidade da Fundação junto à Transurh.

Já quanto ao pagamento, a diretoria da Fundação Hospitalar de Saúde esteve reunida com funcionários da Transurh e informou que o pagamento da folha de pessoal da empresa foi efetuado no último dia 6, sexta-feira.

 "A Fundação esclarece que o pagamento depende da documentação apresentada pela empresa. Diante disso, foi pactuado que a mesma encaminharia a documentação ainda esta semana para que a Fundação efetuasse o pagamento referente a vale transporte e ticket alimentação até sexta-feira, 13 de julho", informou.