UM PROJETO REATIVADO NO SERTÃO E A ÁGUA JORRANDO DO SUBSOLO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/09/2014 às 01:25:00

O Projeto Califórnia, primeiro perímetro irrigado a funcionar em Sergipe, foi projetado e iniciado por João Alves no seu primeiro governo, e concluído no segundo ano do mandato de Antônio Carlos Valadares. Já tem, por conseguinte, 26 anos. Nesse período o sistema de bombeamento ficou quase sucateado, o canal que leva água aos lotes atravessando o centro da cidade de Canindé do São Francisco, tem muitas rachaduras por onde a água se perde, e transformou-se, também, no local para despejo de lixo e até de esgotos. A água que vem limpa do São Francisco torna-se imunda e pestilenta no canal, embora servindo ao uso doméstico dos irrigantes e de centenas ou milhares de pessoas abastecidas pelos caminhões-pipas. A revitalização do perímetro e cobertura e recuperação do canal eram antigas reivindicações nunca atendidas da população canindeense, principalmente dos chamados ¨loteiros¨, que sofrem com a redução do volume de água que chega aos seus lotes. No verão canicular do semiárido, dois ou três dias com irrigação insuficiente determinam a perda da safra.
Eleito em outubro de 2012, o prefeito Heleno Silva já no dia 12 do mesmo mês, entregava a Jackson Barreto, que ocupava o governo na ausência de Marcelo Déda, um minucioso documento contendo as reivindicações do município. Decorria então a longa batalha pela aprovação do PROINVESTE, torpedeado na Assembléia por interesses políticos. Quando as lágrimas de Déda derramadas pelo desespero de ver Sergipe perder, por mesquinharia politiqueira, recursos imprescindíveis ao desenvolvimento, surgiu na sociedade uma crescente revolta contra a inexplicável procrastinação. O grupo político que comandava a sabotagem entendeu que sofreria um forte desgaste, e então houve a aprovação do empréstimo, todavia com cortes no seu valor inicial. Foi então que os projetos começaram a ser preparados. Jackson assegurou a Heleno que uma parte das suas reivindicações seria imediatamente atendida. Promessa feita, na semana passada os Secretários da Agricultura, Francisco Dantas, e do Desenvolvimento Urbano, Carlos Melo,superavam obstáculos, demonstravam competência e davam início às obras, que incluem, também, a pavimentação a paralelepípedos da quase totalidade das ruas do Assentamento Cuiabá, o mais populoso do município. Pavimentar a paralelepípedos é o que de melhor se pode fazer no sertão, onde há pedreiras desativadas e trabalhadores em busca de emprego. Os dois canteiros de obras vão gerar mais de 50 empregos diretos, mas, a grande noticia é mesmo a revitalização do Perímetro Califórnia, que, tendo farta disponibilidade de água produzirá muito mais, gerará empregos e fará circular mais dinheiro no município. Há também a possibilidade, já em estudos na COHIDRO, de levar água a lotes de sequeiro que ficam no entorno do perímetro.
Mardoqueu Bodano, o dirigente da COHIDRO que comandou o ressurgimento da empresa quase sucateada, comanda agora, tanto a revitalização do Califórnia, como dos projetos de irrigação de Itabaiana, Lagarto e Tobias Barreto, que também estão recebendo novos equipamentos. Enquanto isso, duas novas perfuratrizes adquiridas pela COHIDRO estão no sertão perfurando poços artesianos. Só em Canindé já fizeram jorrar água de boa qualidade em mais de 20 locais previamente definidos como favoráveis pela geóloga contratada pela Prefeitura para localizar os lençóis subterrâneos, que, providencialmente, existem em alguns pontos do município.
Coisas assim só se tornaram possíveis porque foi aprovado, embora retirado a fórceps, o PROINVESTE, aquele empréstimo tão malsinado e combatido. Se a autorização para o contrato de financiamento houvesse sido aprovada antes, como Déda tanto implorou, as obras que estão sendo agora iniciadas já estariam, na sua maior parte concluídas, ou em fase de conclusão.