Amorosa e o Eclesiastes

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A CAPA, CRIAÇÃO DE SANDRO FERREIRA, SURPREENDE PELA ORIGINALIDADE
A CAPA, CRIAÇÃO DE SANDRO FERREIRA, SURPREENDE PELA ORIGINALIDADE

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/10/2014 às 00:28:00

Em "Eclesiastes em Septilha", a escritora Antônia Amorosa nos põe em contato com um dos mais primorosos livros da Bíblia, na linguagem popular da literatura de cordel, segundo ela, "em favor da propagação da palavra de Deus" que não adormece em sua alma inquieta e no seu coração pulsante de alegria e devoção às causas nobres.

O que posso observar na amostragem do livro é a mesma sinceridade e transparência de sentimentos dos seus poemas e das letras de suas canções, frutos de quem ainda não se submeteu aos regulamentos gelados, impostos pelos cientificismos de uma estética(?) modernosa capaz de produzir os tecnocratas da linguagem pomposa e, não raro, vazias de conteúdo, tão frequentes em nossos dias de suburbanice acadêmica.

As páginas reunidas em "Eclesiastes em Septilha" não necessitam de maior elucidação. Com temas atemporais dominantes de sua problemática particular, o livro bíblico pode ser lido como quem assiste ao seu próprio processo de criação a exemplo de "A Vaidade da Sabedoria" (pág.41), "As Tribulações da Vida"(70), "A Submissão diante do Rei"(123), "As Desigualdades da Vida")(131),"O Procedimento Prudente do Sábio"(170) e "A Mocidade"(175).
Em síntese, o que importa mesmo em Amorosa é a marca pessoal de sua arte combinatória. Ela deve ter encontrado, em sua maior escala, as possibilidades de mobilizar  pensamentos e palavras que lidam com o infinito.

Geleia geral
... O cineasta Hermano Penna ("Sargento Getúlio" e "Aos Ventos que Virão"), foi agraciado com o título de Cidadão Aracajuano em sessão solene da Câmara de Vereadores de Aracaju, no dia 25 de setembro. Como não tenho terno e muito menos gravatas, ou seja o tal  traje "passeio completo" (exigência do convite) não pude comparecer ao evento para abraçar o amigão, bem mais sergipano do que muitos que nasceram neste solo abençoado. Mas fiquei em casa no horário combinado, emitindo vibrações positivas para o notável cineasta. Para ele, o bom hermano sergipano, muitos aplausos. De pé.

... "Os Melhores da Música Sergipana", promoção do Sesc, premiou figuras representativas do nosso cancioneiro popular, nas mais diversas categorias. O público escolheu os seus favoritos através da Internet, deixando de lado aqueles que não dispõem desse mecanismo, privilégio ainda de poucos. Lamentável!

... Debate político, fora ou dentro dos estúdios de TV, é sempre uma coisa muito chata. Mas confesso que achei um pouco diferente o último programa do gênero, realizado pela TV Globo. Os presidenciáveis dividindo o mesmo púlpito, se "enfrentando" cara-a-cara, olhos nos olhos (e não "olho no olho", já que o único solitário que o ser humano possui não pode ser mostrado impunemente...), foi muito bem pensado, dificultando os "pinóquios" que, por serem mentirosos congênitos, não conseguem falar com tranquilidade encarando o interlocutor. Teem medo de deixarem a máscara cair, pois que, como já dizia a minha vovô Hermengarda, "Os olhos são o reflexo da alma".

... O que seria de Marcos Mion se não fosse o Mionzinho? Dolorosa interrogação.  

Energia
"Deus é o oceano que não se deixa capturar completamente pelo recipiente acanhado da nossa percepção." Cristiano Torchi - revista Reformador, edição de julho/2014.