Depois de vencer a Argentina, o Brasil encara o Japão em Cingapura

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A Seleção do Brasil tem excelente retrospecto contra o Japão. Em dez jogos foram oito vitórias brasileiras e dois empates. O jogo hoje é em Cingapura
A Seleção do Brasil tem excelente retrospecto contra o Japão. Em dez jogos foram oito vitórias brasileiras e dois empates. O jogo hoje é em Cingapura

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/10/2014 às 00:43:00

Cingapura - Neste sábado, a Seleção Brasileira conquistou mais um título do Superclássico das Américas, ao bater a Argentina pelo placar de 2 a 0, com dois gols de Diego Tardelli. O Brasil, na nova "Era Dunga" tem mostrado uma composição defensiva surpreendente e tem sido eficaz no ataque. O próximo teste, visando as Eliminatórias para a Copa 2018, é o Japão, em partida amistosa que acontecerá nesta terça-feira, às 7h45 (horário de Brasília), no Estádio Nacional de Cingapura, que chama a atenção por sua inovação, porém, com gramado muito abaixo do ideal.

A Seleção Brasileira ainda não tropeçou no retorno de Dunga ao comando técnico e depois do fracasso na Copa do Mundo, ainda sob os olhares de Felipão. O Brasil venceu Colômbia, Equador e Argentina. O Japão será o primeiro adversário de fora da América do Sul e o retrospecto pesa, e muito, pelo lado verde amarelo.
O Brasil nunca perdeu para o Japão. No total, foram dez confrontos, com oito vitórias da Seleção Canarinho e dois empates. A última partida aconteceu no Estádio Mané Garrincha, pela Copa das Confederações. Na ocasião, vitória brasileira por 3 a 0.
Apesar do retrospecto ruim e de não poder contar com Kagawa, uma das principais estrelas do time, o Japão vem confiante em arrancar uma vitória diante do Brasil, já que vem de um triunfo diante da Jamaica por 1 a 0.

Desfalque na zaga - David Luiz não participou do treino da Seleção Brasileira nesta segunda-feira 13, no Estádio Nacional de Cingapura e dificilmente terá condições de jogar o amistoso contra o Japão nesta terça-feira. O zagueiro deixou a partida contra a Argentina, sábado, na China, com dores na coxa direita e nesta segunda-feira 13, foi submetido a exames para saber se sofreu algum tipo de lesão. Caso David Luiz não enfrente o Japão, Gil deve formar dupla de zaga com Miranda.
"Ele estava com dor hoje pela manhã (segunda-feira) e não tinha condições de treinar. Mas ainda temos um pouco mais de tempo para definir com calma se ele poderá jogar", disse o médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar.

Contra o Japão, Dunga deve dar mais oportunidades para os veteranos Kaká e Robinho, além de Everton Santos, do Cruzeiro e outros nomes, que acabaram não sendo aproveitados, ou muito pouco diante da Argentina. No Superclássico das Américas, o limite de substituições fez com que Dunga priorizasse a equipe titular.

Japão também com desfalques - A seleção japonesa não contará com um dos seus principais jogadores no amistoso contra o Brasil, na próxima terça-feira, em Cingapura. A Associação Japonesa de Futebol explicou que Shinji Kagawa foi cortado após sofrer concussão cerebral, durante a vitória por 1 a 0 sobre a Jamaica em amistoso.

A entidade relatou que Kagawa foi atingido no maxilar durante o primeiro tempo, o que provocou um sangramento na sua boca, mas mesmo assim permaneceu em campo até o final da partida. O meia começou a sentir tonturas após o jogo e foi levado para hospital para realizar exames médicos.
Sem contar com Kagawa, o Japão, do técnico Javier Aguirre, aposta suas fichas em Honda. O jogador do Milan é considerado a principal arma para superar o favorito Brasil. Outro destaque é o zagueiro Nagatomo, que também está confirmado na equipe titular.