O EX-PREFEITO E A REAÇÃO DE ALBANO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/10/2014 às 22:52:00

Orlandinho Andrade foi eleito prefeito de Canindé pela primeira vez, contando com o decisivo apoio de Albano Franco, e mais ainda do seu tio o hoje conselheiro do Tribunal de Contas Ulices Andrade. Nessa eleição, Orlandinho, influenciado pelo irmão Kaká Andrade, distanciou-se do tio, embora votando no filho dele, Jeferson Andrade, decidiu apoiar os Amorim. A esperança era que Eduardo se elegesse governador, deixando vaga a cadeira no Senado que seria ocupada pelo primeiro suplente Laurinho Menezes, e Kaká ficaria como um primeiro suplente ainda mais esperançoso.
Durante a campanha a família dividiu-se em Canindé e Orlandinho, que tinha um compromisso de votar com Maria do Carmo, mais ainda por ser Ricardo Franco filho de Albano e primeiro suplente, viu, em sua própria casa, acontecerem outras opções. Sua esposa Joana e o irmão Murilo, ex-secretário da saúde de Canindé e agora secretário da saúde de Piranhas, optaram por votar em Rogério, que fez, quando secretário da saúde, importantes obras no município. Na chácara de Orlandinho, apareceram cartazes onde figurava vistosamente Rogério, candidato ao Senado. Albano soube, mandou chamar Orlandinho e lhe disse claramente, contrariando aliás o seu estilo, que aliados assim não lhe interessavam. e a amizade antiga e sólida para ele perderia o sentido, ou seja, Orlandinho nem seria mais convidado aos almoços semanais no apartamento de Albano. Orlandinho ouviu calado, no outro dia em Canindé mandou rasgar todos os cartazes de Rogério. Salvou a amizade com Albano e criou em casa um enorme problema.