SEM SER CANDIDATO, JACKSON SE FORTALECE

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/10/2014 às 22:52:00

Um governador que assume e logo passa a ser visto como candidato na próxima eleição começa, antecipadamente, a ser vítima do desgaste. Candidato governando é sempre tentado a governar menos e politicar mais. Terá de ser acessível às demandas políticas, sejam elas sensatas ou não. Sergipe está a exigir ações muito abrangentes e, sobretudo, corajosas para que se corrijam problemas que o tempo poderá tornar insolúveis. Jackson tem plena compreensão desses problemas e das dificuldades que enfrentará para equacioná-los e realizar a difícil cirurgia de extirpação dos males. Na condição de candidato em potencial ao Senado ou à Câmara o trabalho a ser feito se tornaria no mínimo, mais delicado, exigindo manobras que protelariam ou desvirtuariam as ações necessárias.
Jackson começará o novo governo com a força imensa de um mandato conquistado sobre adversários que pareciam há pouco tempo imbatíveis e, além de tudo, com o aval de uma vitória alcançada por larga margem de votos. Não terá maiores dificuldades na Assembleia onde uma tranquila maioria favorecerá o andamento dos seus projetos, e poderá contar com a adesão ou boa vontade de praticamente todos os deputados federais eleitos, um senador muito atuante e prestigiado, Valadares, e quase certamente também, com a ajuda da senadora Maria do Carmo. Haverá para JB um campo de manobra cuja amplitude poucos governadores conseguiram visualizar, e isso será extremamente benéfico para Sergipe.
Sem ser candidato, Jackson renuncia à continuidade na vida pública que para ele já se faz longa, mas não abrirá mão de entrar para a História como um governante que correspondeu plenamente às expectativas dos sergipanos. Esse seria um prêmio bem mais significativo do que oito anos no Senado ou quatro na Câmara Federal.
Afinal, um dia chega o tempo para o ócio que, todavia, sempre deverá ser criativo, e tão necessário, mais ainda, para os que passaram a vida a suar a camisa. Até lá, contudo, para JB serão quatro anos de muita luta e vontade de mostrar resultados.