IBGE aponta crescimento de 6,1% no setor de serviços de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/10/2014 às 00:44:00

O setor de serviços apresentou um crescimento de 6,1% em Sergipe, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo com base no mês de agosto foi divulgado no último dia 22 de outubro e posicionou Sergipe como terceiro melhor resultado da região Nordeste, ficando atrás somente da Bahia (8,0%) e do Maranhão (6,7%). No Brasil, Sergipe foi o 9º melhor entre as 27 unidades administrativas (Estados e Distrito Federal).

Conforme avalia o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), Saumíneo Nascimento, este é o segundo mês consecutivo que Sergipe aponta um resultado positivo no crescimento do setor de serviços. "O último mês de julho apresentou um crescimento de 6,7%, com isso o acumulado do setor em 2014 é de 4,2% e nos últimos 12 meses de 3,7%", ressaltou ao destacar que o importante é manter esses saldos positivos e que acredita nessa continuidade. "O avanço de 6,1% de Sergipe no mês de agosto é significativo se considerarmos também que o crescimento do Brasil ficou em 4,5% no mesmo período", enfatizou.

Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução do setor de serviços empresariais não-financeiros e de seus principais segmentos, abrangendo um conjunto de atividades estruturadas em cinco grupos. "No Estado de Sergipe todos os serviços merecem destaque, mas nesse momento gostaria de destacar a importância e o constante crescimento do Grupo Transportes, Serviços Auxiliares dos Transportes e Correio que é composto de transporte aéreo, armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio", disse, destacando essas atividades como fundamentais para a boa distribuição de riquezas que são produzidas pelas indústrias locais. "Além de serem imprescindíveis para o suprimento de insumos e matérias-primas para as fábricas e de mercadorias para os setores de comércio e serviços", ressaltou.