Sergipe tem menor índice de extrema pobreza do NE

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/11/2014 às 00:29:00

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgados na quinta-feira, 06, baseados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apontam que Sergipe é o estado do Nordeste com menor índice percentual de miseráveis, 6,13% de sua população. Para o governador Jackson Barreto, esse será um dos estímulos para que Sergipe seja, nos próximos quatro anos, "um laboratório permanente de compromisso social".

Em Sergipe, o número de pessoas em situação de miséria caiu 10% nos últimos 24 meses. São 14.827 pessoas que saíram da extrema pobreza. Maranhão e Alagoas apresentaram os maiores índices de pobreza, com 17,29% e 12,34% da população respectivamente. Bahia e Pernambuco alcançam 9,96% e 9,32%.
O resultado se deve, sobretudo, ao conjunto de medidas adotadas pelo governo federal e estadual para combater esse problema social. Programas como Bolsa Família e o Sergipe Mais Justo ajudaram a 131.708 sergipanos saírem da extrema pobreza nos últimos cinco anos, de 2008 a 2013. Em Sergipe, 256.511 mil famílias recebem o Bolsa Família.

O Sergipe Mais Justo é um plano coordenado pela Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social (Seides), lançado em dezembro de 2011, e que visa fortalecer e ampliar as políticas públicas de inclusão produtiva e geração de renda. Compreendendo um horizonte de três anos (2012-2014), o Sergipe Mais Justo tem orçamento global de R$ 392 milhões para o período de vigência. O plano baseia-se em três eixos estratégicos: transferência de renda, inclusão produtiva e acesso a serviços públicos. Esses eixos contemplam 40 iniciativas e está beneficiando mais de 70 mil famílias com suas políticas. As ações são formuladas e desenvolvidas de modo intersetorial com a atuação conjunta de vários órgãos. A ideia é unir forças e ampliar o atendimento àqueles que estão à margem do acesso à renda e à rede de proteção social.

Outro fator que ajudou o resultado é o crescimento da geração de emprego no estado. Sergipe teve a maior taxa de geração de empregos, proporcionalmente, do Nordeste e uma média 2,5 vezes maior que média nacional entre setembro de 2013 e agosto de 2014. Nesse período, foram gerados 12.095 empregos, o que representa uma taxa de crescimento de 4,32%, mais que o dobro da taxa nacional no mesmo período, que foi de 1,72%.
Os dados da pesquisa também apontam que, embora ainda seja a região detentora dos maiores índices de miséria, comparado com outras regiões do país, o Nordeste é a que mais vem avançando nessa redução e, inclusive, foi a única região a obter resultados positivos nesse sentido no ano de 2013.

Visão social - Para o governador Jackson Barreto, os dados da pesquisa do Ipea demonstram que Sergipe está no caminho certo. "O Governo tem uma diretriz no seu compromisso de lutar contra a extrema pobreza. É notória a preocupação da nossa administração com a questão social, principalmente quando se leva em conta as obras realizadas pelo Governo do Estado que são planejadas dentro de uma visão de compromisso social", destacou o governador.
"Somando o trabalho realizado de forma direta para atingir as pessoas, que foi o que falamos na recente campanha eleitoral com o lema de 'cuidar das pessoas' e, paralelamente, se faz um elenco de obras cujos resultados vão garantir na prática a efetivação desse compromisso social. Este é um resultado que nos deixa muito felizes e orgulhosos de que Sergipe está fazendo a sua parte para tornar-se um estado com mais igualdade", declarou.

Ainda conforme o governador, resultados como esse são estímulos a continuar perseguindo objetivos. "Há pouco, estava analisando a questão do analfabetismo, pois pretendo incluí-lo como uma questão prioritária para o Governo do Estado se debruçar nos próximos quatro anos. Eu quero que Sergipe se torne um laboratório permanente do nosso compromisso social", disse.