Três pessoas morrem afogadas em Areia Branca

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/11/2014 às 00:34:00

Três pessoas morreram afogadas na tarde do último domingo, 09, após mais um naufrágio no Estado de Sergipe. Conforme informações oficiais apresentadas pelo Corpo de Bombeiros Militar, a embarcação sem nenhum item de segurança flutuava pela Barragem Jacarecica II, município de Areia Branca, quando acabou emborcando para o fundo do córrego. No momento do sinistro estavam presentes três adultos e duas crianças. Entre os óbitos o Instituto Médico Legal (IML) registrou os nomes de: Adriana dos Santos, de 45 anos; o filho Egnaldo dos Santos, de 8 anos; e a sobrinha Deyse Kelly Santos Araújo, 7. A causa do naufrágio ainda não foi divulgada pelos peritos.

De acordo com os moradores do povoado Manilha, região onde morava a família, os cinco tripulantes dirigiam-se até o outro lado da barragem a fim de buscar água potável em uma fonte. Segundo o major Hector Silva Monteiro, do Corpo de Bombeiros, as equipes de resgate foram acionadas pelo Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) poucos minutos após o registro da ocorrência. "Assim que recebemos o chamado, entramos em contato com a equipe de mergulhadores na esperança de salvar ainda com vida os três corpos. Infelizmente nessa missão não conquistamos êxito e o foco agora é analisar as causas dessa tragédia familiar", disse.

Semelhante ao fato registrado no mês passado em Aracaju quando dois pescadores morreram em um naufrágio, nenhum dos tripulantes estava em posse de coletes salva vidas ou boias. Esse erro, já identificado pelo CBM, contribuiu diretamente para que as crianças, em especial, não conseguissem lutar contra a maré. Estudos devem apontar se Adriana dos Santos morreu ao tentar salvar a vida das duas crianças. "Isso apenas uma análise e conversa com os sobreviventes pode nos ajudar a entender o naufrágio. Infelizmente este é mais um caso de imprudência onde as pessoas, mesmo em barragens consideradas pequenas e de águas calmas, insistem em não utilizar os equipamentos de segurança", pontuou.