O PRE-CAJU PULA 15 E QUER VOLTAR EM 16

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/11/2014 às 01:29:00

Talvez houvesse mesmo chegado o momento para dar uma parada e repensar o Pré-caju. A festa completaria 25 anos ininterruptos de muito sucesso. Tudo começou quando o ainda menino Fabiano resolveu fazer uma pré-carnavalesca em Aracaju, onde até o carnaval já andava quase esquecido. O Pré-caju tornou-se uma mega-promoção, atraindo turistas e movimentando muito dinheiro, sempre recebendo generoso aporte de recursos públicos que chegavam tanto do Ministério do Turismo como do Governo do Estado e da Prefeitura , ou do Banco do Estado, agora tentando recuperar a perda pela retirada da vistosa conta do município de Aracaju. Este ano a porca torceu o rabo, porque, além dos problemas que tem a ASBT em relação à prestação de contas do dinheiro recebido do Ministério do Turismo, atravessamos tempos de vacas magras. Assim, os gastos têm de obedecer a certas prioridades. Quando uma parte do servidor público deixou de receber salário dentro do mês, seria irresponsabilidade liberar recursos para um evento festivo. Dinheiro de ajuda cujo retorno social ainda não chegou a ser exatamente quantificado.
Por tudo isso o Pré-caju precisa ser reavaliado, e nada melhor do que uma pausa para que se possa fazer uma reflexão tranquila sobre vantagens ou desvantagens do evento. A partir das conclusões, que se faça então o traçado de um novo roteiro.
O setor hoteleiro não demonstra muito interesse na continuidade do Pré-caju porque o evento coincide com a alta estação quando a ocupação é invariavelmente alta. Os comerciantes fazem restrições à festa que, segundo eles, reduz o movimento nas lojas e Shoppings, enquanto a insatisfação da população não é pequena, e resulta das mudanças no tráfego em virtude da localização da festa.
Por outro lado, o Pré-caju produz um dinamismo inegável na economia da cidade com a geração de empregos e as oportunidades criadas para centenas de vendedores que se estabelecem nas proximidades do ¨corredor da folia¨. Isso não pode deixar de somar pontos positivos a favor da festança.
Fabiano promete agora fazer a Fest-Verão, um evento em menor escala que não dependerá do apoio financeiro nem do Governo, nem da Prefeitura, sem desistir de reeditar o Pré-caju em 2016, em um novo formato.
Que até lá se façam as indispensáveis reavaliações de procedimentos, algo que não poderá ser conseguido sem que haja a participação direta da sociedade, buscando-se a aproximação com um consenso que só existirá na medida em que um maior número de protagonistas se envolver com o evento, e entre eles forem partilhadas as vantagens.