Caveiras, são todas iguais!

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/11/2014 às 09:56:00

* José Wilson Brito Couto

Em todo os agrupamentos de seres vivos do mundo, tanto no reino animal (irracional) como no reino animal (racional) humano, há sempre uma diferença social e dentro da própria comunidade, há também diferenças entre os  próprios indivíduos que as compõem, daí surgirem as lideranças.  No reino animal irracional, a escolha do chefe se dá normalmente pela força, ou pela experiência, e na grande maioria, esse comando está nas mãos das fêmeas dos grupos. Pelo menos é o que se tem observado nos mamíferos de grande porte. Entre os elefantes por exemplo, a manada segue sempre uma elefôa mais velha.mais vivida, conhecedora das trilhas  e das pastagens verdejantes. Entre os leões , são as leoas quem tomam a iniciativa de caçar e alimentar suas crias, isto é , o comando em ambos os casos é quase sempre matriarcal. Mas , no mundo dos bichos, essas tomadas de posição, chama-se instinto animal.  

Com os seres humanos, é diferente, essas lideranças , são resultado de uma série de fatores: políticos, sócio econômicos, hierárquicos,  predominância de força, etc. Os governos da terra são muito heterogêneos em suas maneiras de proceder, cada um segue a linha pelas quais foram educados e formados.  Há  os reinados, onde somente um individuo  detem toda a força e poder. Há o reinado como o da Inglaterra, que possui um rei (rainha) mais na verdade não governa, é um 1° Ministro quem toma as decisões Há governos tipo Ditadura, como Cuba, Síria, Venezuela,  um só chefe que governa sob regime de força. Há governos tipo democracia, Brasil , Estados Unidos, o povo elege seus governantes pelo voto livre e democrático, subordinados a um congresso de representantes do povo, e sob a Égide da carta magna, a Constituição. Há também um caso único, o Vaticano, menor pais do mundo sob a responsabilidade do Papa.
Mas dentro dessa imensa diversidade de autonomias governamentais, impera dois grandes interesses: O poder econômico  e o poder político. E tanto um como outro, produzem  no ser humano sentimentos  de posse, de orgulho, de insensatez, de cegueira, de ganância , de insensibilidade , de ódio , de endeusamento, em suma, de tudo que a própria natureza humana é capaz de gerar, quando se tem um desses poderes nas mãos.

E é a partir daí que o destino da humanidade , passa a seguir caminhos  com futuros incertos e não muito previsíveis. E tudo do futuro de bom ou de mau  está justamente nas mãos do ser racional, que segundo foi dito "criado em Sua imagem e semelhança". E foi ai que Deus errou dando a criatura "uma alma dotada de livre arbítrio". Nada mais ficou certo e o homem , "rei da criação" passou a só fazer besteiras de toda natureza. Os  grandes problemas de nosso planeta tem por responsável, o próprio. O aquecimento global, causando o degelo em todas as partes do mundo, as industrias poluidoras  da atmosfera, consumindo o ar que respiramos, os desmatamentos criando desequilíbrios climáticos. De quem é a responsabilidade?  Estamos  nós próprios a nos destruir. .
Poderosos, inconsequentes, idiotas criminosos, arbitrários, insanos,  julgando-se semi deuses, cegos pelos poderes, não são capazes de entender as conseqüências de seus atos suicidas. Essa é a nossa humanidade, que no final chega-se a um denominador comum,  a morte onde  TODA CAVEIRA É IGUAL.

* José Wilson Brito Couto é professor Emérito da UFS (Aposentado)