Essa é pra tocar no rádio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
As guitarras predominam
As guitarras predominam

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/11/2014 às 10:57:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Jazz e rock se transformaram em objeto de culto de grupos restritos, para poucos e bem informados. Fato consumado. Não há o que lamentar. Há quem invista, entretanto, no caminho inverso e pegue a contra mão deliberadamente. Não chega nem perto de ameaçar o atual estado de coisas (it's all business, baby!). Mas às vezes redunda em música de primeira.
O guitarrista Igor Gnomo é desses. Apesar do batismo afetado de seu segundo disco, 'Alquimia | Trilhos | Poesia' (2014), os temas aqui reunidos não têm nada de herméticos ou inacessíveis. Muito ao contrário. Gnomo teve a manha de subordinar o virtuosismo que lhe rendeu merecida distinção e trânsito livre entre os melhores instrumentistas de sua geração a um sotaque melódico de fácil apreensão. O resultado é uma música vibrante, repleta de elementos populares. Não vai tocar no rádio. Mas devia.

O disco é composto por 11 faixas, todas assinadas por Gnomo. A guitarra predomina, naturalmente, mas o autor se fez acompanhar por uma banda que não fica lhe devendo em nada e soube aproveitar o embalo acelerado das seis cordas para se divertir com fraseados discretos e uma ruma de groove. André Jumper (baixo), Gláucio Barreto (bateria) e Gildo Moreira (percussão) seguram a onda, sorrindo.
Se uma definição fosse necessária, a música de Gnomo poderia receber o rótulo cafona de smooth jazz. Não é sempre plácida, como a classificação sugere. Vez ou outra resvala em pieguice, como na desnecessária faixa de abertura, de um didatismo ingênuo. Aqui, contudo, basta destacar a aproximação pretendida entre a música instrumental e ouvidos leigos, como os deste que vos escreve. Neste sentido, o guitarrista não poderia ter sido mais feliz.