Jackson participa de posse do novo Procurador-Geral de Justiça de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O governador Jackson Barreto cumprimenta o novo procurador de Justiça
O governador Jackson Barreto cumprimenta o novo procurador de Justiça

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/11/2014 às 00:09:00

Tomou posse como novo Procurador Geral de Justiça de Sergipe o promotor José Rony Silva Almeida. O governador Jackson Barreto, que o nomeou após ele obter maioria em votação de lista tríplice, esteve presente à solenidade que ocorreu no auditório do Ministério Público Estadual, em Aracaju, na noite desta sexta-feira, 21. Com a presença de centenas de autoridades e familiares, o Procurador assumiu a função que irá exercer pelo próximo biênio sucedendo Orlando Rochadel, que ficou no cargo por dois mandatos.

Durante o ato, o novo procurador prestou o juramento de praxe, assinou o termo de posse e foi condecorado com o Colar do Mérito Tobias Barreto, que distingue personalidade ou instituição que com seus méritos e ações tenham se destacado no estado ou nacionalmente com ações que engrandeçam o Ministério Público. Para o governador, o fato de o novo Procurador ter sido o mais votado pelos seus companheiros, representa um reconhecimento da categoria ao seu trabalho.

 "Eu vou tomar posse no dia primeiro de janeiro porque fui o mais votado. Então, a minha obrigação foi receber uma lista e escolher aquele que foi o mais votado pela categoria, pelo Ministério Público. Eu apenas reafirmei os meus princípios democráticos, nomeei o primeiro mais votado. Estou satisfeito, afinal de contas você coloca em prática aquilo que você prega, a democracia. Foi de forma muito clara decidido pelos membros através do voto direto e secreto como eu fui eleito governador do estado. Não vejo diferença entre uma eleição e a outra, ganha quem teve mais votos", sintetizou Jackson Barreto.

Após 23 anos de serviços prestados, sendo 18 deles exercendo atribuições em promotorias de justiça do interior e da capital, entre outras funções dentro do Ministério Público, José Rony Silva Almeida chega ao mais alto posto dentro do Colégio dos Procuradores do Ministério Público de Justiça de Sergipe. Segundo ele, no seu período de dois anos, os desafios serão diferentes, mas sua meta é aperfeiçoar cada vez mais o MPE.
"E quando a gente fala em aperfeiçoar, quer dizer o seguinte: estruturar mais ainda a instituição para que os promotores e os procuradores possam exercer as atribuições do Ministério Público e, a partir daí fazer, a proteção dos direitos humanos. É este perfil ministerial que a gente persegue sempre, estruturar cada vez mais para que os promotores possam agir com a sua independência que lhes é natural".

Agradecimento especial - Durante a solenidade, o novo Procurador-Geral fez ainda um agradecimento especial a Jackson Barreto. "O ato de vossa excelência, ao escolher o candidato mais votado na lista tríplice, traduz a altivez que sempre norteou as suas ações na vida pública. A Constituição atribuiu-lhe a prerrogativa de escolher qualquer um dos três, porém, em respeito à vontade da classe, vossa excelência homenageou o mais legítimo valor democrático, a vontade da maioria. Queremos aqui reforçar que a luta do governador Jackson Barreto data de muitos anos, desde os tempos de estudante. Os tempos eram outros, mas a luta firme contra o regime de exceção por parte de vossa excelência e de tantos outros companheiros permitiram que as futuras gerações pudessem viver sob as garantias de um estado democrático de direito", discursou José Rony.

Despedida - O ex Procurador-Geral Orlando Rochadel, em seus agradecimentos ao deixar o cargo, destacou algumas de suas ações mais queridas. Homenageado pela presença na plateia de estudantes do Colégio Vitória de Santa Maria, que o MPE e o próprio Rochadel ajudaram a implementar, ele citou essa ação conjunta do MP com os poderes executivos estadual e municipal, e também falou que gostaria de ser lembrado pela criação da Coordenadoria de evolução humana, ética e espiritualidade, primeira no Brasil e instituída por força de lei, e Coral Vozes da Cidadania.

"Após oito anos participando diariamente do gerenciamento das atividades institucionais e administrativas do Ministério Público sergipano, chegou o momento de dizer obrigado e de passar o bastão para novos líderes. Quatro anos na condição de secretário geral e depois mais quatro de Procurador-Geral de Justiça. Difícil descrever o profundo orgulho e satisfação de registrar tantos momentos empolgantes", disse na abertura de seu discurso de mais de uma hora de duração que enumerou diversas ações elogiáveis.