Agentes não recebem salário integral e trabalham com estrutura precária em Laranjeiras

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/12/2014 às 09:36:00

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), Augusto Couto, esteve se reunindo com os agentes comunitários de Saúde (ACS) e agentes de combate às endemias (ACE) do município de Laranjeiras, e constatou que o prefeito não está pagando o piso nacional dos agentes, conforme Lei Federal que estabelece desde julho o pagamento do valor de R$ 1.114,00, e não os atuais R$ 800,00.
"Nós já conseguimos negociar o pagamento do piso aos agentes das prefeituras de São Cristóvão, Itabaianinha e Porto da Folha, agora foi a hora de atender ao apelo dos agentes de Laranjeiras. Vamos enviar um ofício nestes dias ao prefeito para negociarmos as nossas pautas", disse Augusto Couto, ratificando que a verba integral específica já vem do Governo Federal.
Além do problema de pagamento, os servidores de Laranjeiras reclamam da falta de estrutura de muitas unidades, como o Centro de Saúde José Muniz Barreto, que na verdade é uma casa improvisada e que foi visitada pelo presidente do Sintasa.
"Encontramos um descaso com a Saúde. Um município rico como Laranjeiras com uma unidade de Saúde daquele jeito. Está faltando praticamente tudo. Medicamentos para hipertenso, para diabéticos. Além do mais, a falta de estrutura. Fazer um curativo próximo à uma janela e a cozinha é inadmissível", relatou Augusto.
O líder sindical reclamou ainda do tratamento que é dado às gestantes. "Elas fazem exame de lâmina próximas à uma janela, num calor insuportável. Além de existir muito entulho no quintal. Iremos cobrar da gestão municipal que se tome uma providência urgente", completou.