A ADMIRAÇÃO POPULAR PELOS GRANDES LADRÕES

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/12/2014 às 00:49:00

Não custa, o senhor Paulo Roberto Costa acaba se transformando em herói popular. Tão elogiado por parlamentares durante a acareação com o ex-colega Cerveró, o delator, exaltado como um homem arrependido  ajudando a fazer a limpeza ética da assaltada pátria, vai terminar merecendo a admiração do povo.
Um escritor inglês, Charles Mackay, escreveu em 1841 o livro Ilusões Populares e a Loucura das Massas, onde há um capítulo que trata da admiração do povo pelos grandes ladrões, e são enumerados casos da idolatria popular por rufiões famosos, na  Inglaterra, na França, Alemanha e Itália.
Schiller, autor alemão, escreveu sobre a fama dos grandes bandoleiros, e a admiração que eles causam. Por aqui o nosso popular Lampião, tão depreciado pelo homofóbico  juiz Pedro Morais, já merecendo a réplica contundente do delegado Arquimedes, tem, a grota onde morreu com o seu bando, transformada em local de romaria.
Se deputados e senadores continuarem assim, incensando tanto a desfaçatez cínica de quem se diz arrependido agora e envergonhado diante da própria família, é possível até que ele comece a ser admirado como um ser humano exemplar, ficando esquecido que  exibia os frutos da ladroeira certo da  impunidade, e nisso era acompanhado pela família, que sabia exatamente de onde vinha o dinheiro para comprar iates, carros de alto preço, mansões, até para criar aquela empresa que iria construir mini-refinarias em Sergipe, Alagoas, Ceará e Rio Grande do Norte, que certamente, depois, seriam compradas pela Petrobras aos preços de mais uma Passadena.