"Sou governador de 2,2 milhões de sergipanos", diz Jackson Barreto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O governador Jackson Barreto durante a entrevista
O governador Jackson Barreto durante a entrevista

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/12/2014 às 00:43:00

Projetos para o mandato que se inicia em 2015, reforma administrativa e modernização do Estado, entrega do Batistão, novo secretariado e pagamento dos servidores foram alguns dos temas debatidos pelo governador Jackson Barreto em entrevista concedida no Jornal do Estado 1ª Edição, exibido pela TV Atalaia, afiliada a Rede Record, nesta terça-feira, 30.

Durante a entrevista, o governador fez um balanço do governo. "Eu tenho que agradecer ao sucesso das eleições, mas aquilo que considero que tenha sido mais importante para Sergipe, neste ano, foi a implantação de 57 novas indústrias que geraram mais de 12 mil empregos para os sergipanos, e que, sem dúvida alguma colocou Sergipe em uma posição especial no Nordeste, pois foi o estado que mais gerou emprego na região, inclusive com índices acima da  média nacional. Este é um círculo virtuoso. Estamos recebendo novas empresas, além da Saint Gobain, que veio para Estância, do Grupo Brennand, além da Votorantim, assinamos, na semana passada, um contrato com o Banco do Nordeste, para implantação grupo Dias Branco, do Ceará, e que é um dos maiores do país, um investimento de R$ 1 bilhão, para implantação de uma nova  fábrica de cimento no município de Santo Amaro das Brotas e que vai gerar dois mil empregos na construção da obra e 500 empregos para população após a inauguração. Os índices de desenvolvimento de Sergipe também são os melhores do Nordeste", destacou.

Jackson também falou das dificuldades da sua nova gestão e apontou o déficit da Previdência como o grande calcanhar de Aquiles para o governo. "Por outro lado, a gente também tem problemas no estado. A gente é otimista, por excelência, tem vontade de trabalhar, tem garra, disposição, muita fé em Deus e muita fé no povo. Tivemos que tomar algumas medidas para modernizar o Estado, necessárias para que o Estado possa funcionar e atender uma demanda de 2,2 milhões de sergipanos, porque eu não sou governador apenas de um setor da sociedade, eu sou o governador de todos. O déficit da Previdência este ano chega a R$ 750 milhões. Imagine o que é um Estado, todos os meses, tirar R$ 62 milhões do Tesouro do Estado para cobrir o déficit da Previdência, recursos que deveriam ser aplicados na saúde do povo, na segurança, educação, e em tantas obras importantes para o bem da sociedade".

Para o governador, a reforma de modernização do Estado trouxe medidas duras porém necessárias. "O que pretendemos é modernizar o Estado, adequar o estatuto dos servidores á Constituição de 1988, pois esses privilégios só existiam aqui, já não existem em outros estados, e o que precisávamos fazer com essas medidas, muitas vezes duras e difíceis de serem tomadas, mas que exigem coragem, porque a gente não pode pensar só em um setor da sociedade, mas ter visão da sociedade como um todo. Essas dificuldades todos os estados estão passando e todos estão enxugando a máquina. E muitos me perguntavam se eu iria ter coragem, mas a questão não é ter coragem é ter responsabilidade e compromisso com o estado como um todo e é isso que estamos fazendo".

Questionado sobre o porquê dos servidores, este mês, receberem o salário de forma parcelada, o governador explicou que apenas uma menor parcela do funcionalismo receberá seus vencimentos em duas etapas. "Não é todo o funcionalismo que receberá salário parcelado. Dos 66 mil servidores ativos e inativos, apenas um apequena parte receberá seus salários em duas parcelas. Tivemos que parcelar uma parte do salário, porque ainda não recebemos os repasses federais dos roaylties referentes a dezembro de 2014, Fundo de Exportação e Fundo de Participação dos Estados (FPE), recursos da Saúde também chegaram incompletos, mas até o dia 10 do próximo mês essa pequena parcela será atendida".

Os servidores lotados na Secretaria de Estado de Educação, aposentados e pensionistas começaram a receber seus salários nesta terça-feira, 30. Os servidores da Saúde, SergipePrevidência, Ipesaúde e Segrase receberão seus vencimentos amanhã, dia 31. Também recebem na quarta-feira, 31, os demais servidores que têm rendimentos até R$1.700. O servidor que recebe acima de R$1.700 terá a respectiva complementação paga até o dia 10 de janeiro.
Secretariado - Para a nova equipe de governo, Jackson Barreto, afirmou que na escolha do novo secretariado está levando em conta aspectos tanto técnicos quanto políticos, mas com foco na competência, qualificação e acima de tudo o zelo pela coisa pública.

"Nós vamos fazer algumas mudanças, e penso que isso vai ser muito bom e interessante para o governo agilizar a máquina, fazê-la andar mais rapidamente e atender as demandas da sociedade. Alguns secretários trocarão de pastas, outros já foram comunicados da sua saída, a exemplo do Ferrari, que é o diretor da Deso, que fez um bom trabalho, mas que já foi comunicado que quem responderá pela Deso a partir de janeiro será o engenheiro Carlos Melo Neto, que hoje é o secretário de Desenvolvimento Urbano. Hoje à tarde temos mais uma reunião e o que a gente quer é que a pessoa tenha mérito, competência e compromisso com o nosso estado".

Interior - Interrogado como a sua próxima gestão atuará no interior, o governador recordou que quando Déda assumiu o governo, e quando ele assumiu a continuação deste projeto, observou-se um olhar diferenciado para o interior do estado. "Antes cerca de 80% dos empregos gerados em Sergipe eram na capital, não se dava importância ao interior. Hoje, as coisas mudaram de rumo, pois tivemos e temos a preocupação de atrair indústrias para a capital e para o interior e hoje, a geração de emprego em Sergipe é equilibrada, em torno de 50% na capital e 50% no interior. Mudamos essa regra, pois era algo tendencioso para a população do interior que é tão partícipe quanto aqueles que moram na capital".

Missa e posse - O governador aproveitou a oportunidade para convidar o povo sergipano e amigos para a missa de posse na Catedral, que será celebrada amanhã, dia 31, às 9h, pelo arcebispo de Aracaju, Dom José Palmeira Lessa e para a cerimônia de posse, na quinta-feira, 1º, na Assembléia Legislativa, às 10h. Jackson Barreto e Belivaldo Chagas receberão os cumprimentos em seguida, no Palácio Museu Olimpio Campos, às 11h.

O governador ressaltou ainda que, apesar das dificuldades, ele continua com o mesmo otimismo, fé e coragem para fazer um governo que priorize o bem dos sergipanos. "Eu agora não sou mais o governador que teve 527 mil votos e sim o governador de 2,2 milhões sergipanos aos quais eu desejo um novo ano, de muita paz, alegria e fé no Senhor Jesus".