Economia está sólida e pronta para novo ciclo de crescimento, diz Mantega

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/12/2014 às 10:09:00

Mariana Branco
Agência Brasil

No relatório Economia em Perspectiva, divulgado ontem (30) pelo Ministério da Fazenda, o ministro Guido Mantega diz que a economia do país está "sólida e, com os devidos ajustes, preparada para engatar um novo ciclo de crescimento nos próximos anos". O documento é um balanço do governo sobre o cenário econômico nacional.

"Nestes anos de crise, o Brasil andou em sentido oposto ao da maioria dos países avançados. Enquanto estes cortavam gastos públicos e investimentos, foi feita uma política que manteve o crescimento do PIB [Produto Interno Bruto, soma dos bens e serviços produzidos em um país] positivo e a geração de emprego e renda", destaca Mantega, que no próximo governo Dilma será substituído por Joaquim Levy.
Em 2014, em função de aumento de gastos e queda na arrecadação, o governo não conseguirá cumprir a meta original de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) de R$ 80,7 bilhões. Por isso, houve redução da meta para R$ 10,1 bilhões. O crescimento também ficará aquém das previsões iniciais. A estimativa atual de crescimento para o PIB do país este ano é 0,2%
No relatório, o Ministério da Fazenda atribui o baixo crescimento da economia este ano a fatores como a crise econômica internacional, a Copa do Mundo e o impacto da estiagem nos preços dos alimentos. A pasta destacou que a elevação de juros para conter a pressão inflacionária desacelera o crédito.
"De um lado, o país vem experimentando uma das mais severas secas da história recente, com efeitos inflacionários sobre os preços dos alimentos e energia. A autoridade monetária realizou ajustes na política financeira, com elevação das taxas de juros, o que acabou por contribuir para reduzir a velocidade de crescimento do crédito doméstico. Ao mesmo tempo, houve uma piora nos índices de confiança dos consumidores e empresários com a proximidade das eleições presidenciais. A Copa do Mundo também afetou negativamente a atividade econômica, ao reduzir o número de dias úteis", diz o documento.