Acusado de matar PM sergipano foge de delegacia em AL

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/06/2012 às 16:05:00

Décio Oliveira Sandes, acusado pelo assassinato do cabo da Polícia Militar Ronildo Santos Alves, 43 anos, encontrado morto em 1º de junho na cidade de Olhos D'Água do Casado (AL), fugiu nesta terça-feira da Delegacia Regional de Delmiro Gouveia, junto com outros 10 presos que estavam detidos na unidade. Segundo a polícia alagoana, o grupo abriu um buraco na parede da terceira cela das carceragens e conseguiram sair nos fundos da delegacia por onde tiveram acesso à rua. A fuga foi descoberta na troca de plantão quando eles notaram a falta de alguns detentos e ouviram o relato do restante que não fugiu e confessou que a maior parte dos foragidos escapou na madrugada e outros durante a manhã.
De acordo com Carlos Ângelo, chefe de operações da delegacia de Delmiro Gouveia, familiares de Décio entraram em contato com a polícia na manhã de ontem e afirmaram que o suspeito estava disposto a se entregar, convencido pela família. A volta de Décio à prisão estava prevista para o final da tarde. Para o chefe da delegacia, o acusado "não tinha motivos para fugir" e seria solto pela Justiça nos últimos dias. Isso porque, segundo as investigações da polícia, Décio seria assassinado pelo cabo Romildo e por José Ailton de Souza Santana, 30, encontrado ferido no local e hoje preso em Delmiro.
"O cabo teria seqüestrado esse rapaz (Décio) na cidade de Aquidabã e iria matá-lo aqui em Alagoas, levando ele para um lugar ermo, em uma estrada vicinal do município de Piranhas. Só que na hora de eliminar o rapaz, ele (Romildo) resolveu tirar a algema. No momento do desespero, o Décio tomou a arma do cabo. Nesse momento, o Ailton acertou um tiro nas costas do Décio e, neste ínterim, ele conseguiu atingir os outros dois. O cabo morreu no local, o Ailton levou um tiro no fêmur e o Décio conseguiu pedir socorro em uma rodovia", relatou Ângelo, pontuando que o suspeito matou o PM sergipano em legítima defesa. Os motivos do crime ainda são investigados. (Gabriel Damásio)