Laranjeiras de gregos e troianos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/01/2015 às 00:36:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Laranjeiras é capital de gregos e troianos. O olho gordo do prefeito Juca Bala transformou o tradicional Encontro Cultural da cidade num samba de crioulo doido. De tudo um pouco. Novidade nenhuma. No principal palco da festa, o que abocanhou a maior fatia do bolo, a bagaceira rola solta. Calcinha Preta, Garota Safada, Psirico, e por aí vai. O pulsar da Cultura, meu ovo!
Não se trata aqui de questionar a qualidade das atrações. Sempre sobra uma laminha pros nossos. O cala boca tem sempre a altura dos menores palcos distribuídos pela cidade, iluminados sempre nos horários mais ingratos. Também não é o caso de problematizar a natureza essencial do que chamamos Cultura Popular. Trata-se, isso sim, de compreender a lógica perversa que rege o evento, subordinando uma centena de grupos folclóricos ao oportunismo politiqueiro e assistencialista de uns e outros.
Se os simpósios, as exposições, os grupos de teatro e dança justificam o status e a relevância do Encontro, os empresários mantidos por uma relação viciada com o poder público o deturpa.
O Encontro Cultural de Laranjeiras completa 40 anos dando uma no cravo e outra na ferradura. Mais uma vez. Uma pena.