Estande Sebrae de artesanato

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O setor de artesanato é um dos mais disputados na Feira de Sergipe
O setor de artesanato é um dos mais disputados na Feira de Sergipe

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/01/2015 às 10:09:00

Criar um ambiente favorável para os artesãos sergipanos expor seus trabalhos e realizar negócios, essa é a proposta do Sebrae quando monta o estande da Economia Criativa na Feira de Sergipe. No local é possível encontrar artesanato feito com a palha do ouricuri, cabaças, papel reciclado, madeira, além de bordados em ponto de cruz, renda irlandesa, crochê, patchwork, mandalas, bisquit, pinturas em tecidos e quadros.

As peças são fruto do trabalho de artesãos de dez associações do interior, de municípios como Lagarto, Neópolis, Nossa Senhora do Socorro, entre outros, e estão agradando os visitantes. A baiana Carine Barreto visitou o estande e aprovou o que viu. "Já estive em outras edições do evento, a Feiras de Sergipe 2015 está melhor, mais organizada. As peças expostas no estande do artesanato organizado pelo Sebrae estão lindas, muito bom o trabalho dos artesãos, estão de parabéns", diz Carine.

Vale destacar que os artesãos não precisam se preocupar com nada, somente em trabalhar e renovar o estoque, pois o Sebrae cuida de tudo, de toda a logística. Segundo a analista do Sebrae Katia Araújo dos Anjos, coordenadora do estande de artesanato, o objetivo é mostrar o trabalho dos artesãos do interior, que muitas vezes não tem condição de divulgar seus produtos e na Feira encontram o local ideal. "O Sebrae cuida de tudo, transporte, embalagem, estoque e venda dos produtos, o artesão só precisa se preocupar em produzir, damos apoio total", explica Katia Araújo.

Apoio ao artesanato - O Sebrae realiza diversas ações de apoio ao artesanato, são capacitações que ajudam os artesãos a produzirem peças cada vez mais bem acabadas, ofertadas com preços justos que valorizem sua mão de obra. Outro ponto destacado pelos colaboradores do Sebrae é sobre a formalização, seja com foco no associativismo ou no Micro Empreendedor Individual. E na abertura de mercado, pois quem produz quer vender.
A Instituição organiza caravanas e missões empresariais com destino a feiras e eventos em outros estados, permitindo que os artesãos troquem experiências, divulguem seu trabalho e tenham acesso as novidades do mercado. "Participar dessas missões é muito importante, ajuda a nossa criatividade, sempre voltamos com novidades", afirma a artesã Elizabete Raimundo.