Rendimento médio do idoso sergipano é o maior do Nordeste

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/01/2015 às 22:43:00

O envelhecimento populacional é uma realidade no país, e em Sergipe isso não é diferente. Segundo a projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população idosa no Brasil (pessoas com 60 anos ou mais) estará quase triplicada até 2030, em relação à população de 2000, fato que tem chamado a atenção dos poderes públicos para garantir os direitos sociais do idoso. Exemplo disso foi a criação da Lei 8.842/94, que promove autonomia, integração e participação efetiva do idoso na sociedade.  

Neste contexto, o Observatório de Sergipe, órgão Vinculado à Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) e com informações do DataSUS, buscou apontar um completo panorama da situação do idoso no Estado, apresentando dados demográficos, educacionais e de saúde, além de um panorama sobre a renda das pessoas com maior idade em Sergipe.

Um dos principais dados levantados pela pesquisa informa que o rendimento nominal médio mensal dos idosos sergipanos atingiu R$ 1.511,57, em 2013, o maior da Região Nordeste. "Esse dado mostra que política de desenvolvimento aplicada pelo estado de Sergipe nos últimos anos, com melhoria dos indicadores econômicos e sociais, trouxe resultados significativos nas condições de vida dos idosos no nosso Estado", destaca o Governador do Estado, Jackson Barreto.
Neste contexto, o estudo do Observatório, mostra também que a maior parte da população idosa de Sergipe não é economicamente ativa, não estando disponível ou apta a trabalhar. O que explica Sergipe possuir uma alta proporção de idosos não economicamente ativos é o grande número de aposentados e pensionistas com idade acima de 60 anos (70,59%).

As principais ocupações dos idosos são os trabalhos por conta própria (37,93%) e a produção para o próprio consumo (33,90%). Dados de 2004 e 2013 apontam para um crescimento do idoso como a pessoa de referência na família. O que quer dizer que, na maioria dos domicílios, mais de 70% dos idosos são tidos como chefe de família.
Esses números são frutos também do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, que tem se elevado a cada ano e mostrado a importância das ações desenvolvidas pelo Governo.  No resultado do PIB de 2013, por exemplo, divulgado no final do ano passado, Sergipe registrou o maior índice per capita do Nordeste e um crescimento quase quatro vezes maior que o PIB do país. Enquanto o Brasil obteve um crescimento real de 1% no PIB, Sergipe alcançou 3,6%.

O governador Jackson Barreto lembra ainda que esse resultado é fruto de políticas integradas entre os setores públicos e privados, que refletem diretamente na vida da população, e principalmente dos idosos. "Recentemente o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada registrou que Sergipe foi o estado que mais erradicou a extrema pobreza. O Ministério do Trabalho mostra que Sergipe tem batido recordes na geração de empregos. Os números do PIB demonstram que o trabalho de atração de novas empresas executado pelo governo do Estado, aliado às políticas públicas na área social tem alavancado nossa economia e melhorado de maneira significativa a qualidade de vida da nossa gente", afirma o governador.