Mercado esperava executivo de perfil mais independente para a Petrobras

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/02/2015 às 00:36:00

Alana Gandra
Agência Brasil

Economistas do Rio de Janeiro ouvidos pela Agência Brasil disseram que o mercado ficou decepcionado com a escolha do presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, para presidência da Petrobras, em substituição a Graça Foster.

Para o professor do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), José Márcio Camargo, "independentemente da competência dele", a indicação mostra que a presidenta Dilma Rousseff  "quer manter o controle sobre a empresa". Segundo Camargo, Bendine é uma pessoa muito ligada ao governo federal. "Foi uma indicação política, independentemente da capacidade dele".

Camargo lembrou que, à frente do Banco do Brasil, Bendine manteve-se disposto a seguir a política econômica do governo, e não a atender as necessidades específicas da instituição. "Aumentou a oferta de crédito e diminuiu juros em momentos em que os bancos privados estavam fazendo exatamente o contrário."
O professor ressaltou que, por isso, o mercado reagiu tão mal à indicação, que levou as ações da Petrobras a cair perto de 10% nesta tarde, na BM&FBovespa. Para Camargo, os agentes do mercado esperavam uma pessoa com perfil mais independente, "capaz de promover uma arrumação na situação confusa em que se encontra a empresa".

O economista Maurício Canêdo, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), também destacou que a indicação de Bendine "não foi exatamente o que o mercado esperava". Segundo Canêdo, a expectativa era que o escolhido fosse um executivo com mais experiência em empresas. "A queda da cotação das ações da Petrobras revela que o perfil da escolha é diferente do esperado." Canedo ressaltou que, embora não ponha em dúvida a capacidade gerencial de Bendine, ele não era a pessoa mais esperada pelo mercado. O economista destacou ainda a ligação política de Bendine com o governo, o que, para ele, prejudica a independência que deveria ter para tomar as medidas necessárias neste momento de crise na empresa.