Em Brasília, Jackson pede celeridade para grandes obras de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O governador Jackson Barreto durante audiência com o ministro Mercadante
O governador Jackson Barreto durante audiência com o ministro Mercadante

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/02/2015 às 00:14:00

Em encontro com o ministro Aloizio Mercadante, da Casa Civil, nesta terça, em Brasília, o governador Jackson Barreto tratou das principais reivindicações de Sergipe junto ao Governo Federal. A reunião teve como base a audiência do mandatário sergipano com a presidenta Dilma Rousseff em 27 de novembro de 2014.
A construção do terminal de passageiros do Aeroporto de Aracaju, a exploração de petróleo e gás pela Petrobras, a obra do Canal de Xingó, o Projeto Carnalita e o Hospital Regional de Lagarto foram os temas abordados pelo governador. O chefe da Casa Civil deu andamento para as solicitações ainda durante a audiência.

Aeroporto - Depois de informar que as obras de modernização do Aeroporto Santa Maria, na capital, incluindo a nova pista e o pátio de aeronaves, estão em fase adiantada, Jackson Barreto cobrou a inclusão da construção do terminal de passageiros no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O ministro, ao explicar as dificuldades atuais de liberação de recursos pela União, sugeriu que o novo terminal seja construído em regime de concessão.
Mercadante telefonou para o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, solicitando estudo sobre a viabilidade do sistema concessionário. Com o estudo será possível, então, decidir qual a melhor alternativa. O terminal é orçado em R$ 300 milhões.

Xingó - Entre os projetos estruturantes mais impactantes para o Estado, o Canal de Xingó também mereceu destaque na pauta. No mesmo estilo, Mercadante telefonou para o ministro Gilberto Occhi, da Integração Nacional, inquirindo-o sobre a obra.
 "O ministro informou que o projeto Xingó está avançando bem", relatou, imediatamente, o chefe da Casa Civil. Destaque da agenda do governador com a presidenta Dilma Rousseff, o projeto do canal está em fase final de elaboração pela Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).
Mercadante acrescentou que, na manhã desta quarta, 11, terá encontro com o ministro da Integração Nacional, quando abordará a obra do Canal de Xingó. Na primeira fase, o canal, um projeto de uso múltiplo da água e de inclusão produtiva, e não apenas irrigação, deverá consumir R$ 1,5 bilhão.

Petrobras - Jackson Barreto confirmou a relevância para Sergipe dos projetos Águas Profundas I e II, além da implantação de uma nova unidade de processamento de gás em Rosário do Catete. As recentes descobertas de petróleo e gás em águas profundas na costa sergipana impulsionam ainda mais a vocação energética de Sergipe.
Segundo o ministro, estes projetos preservaram seu andamento no cronograma da estatal petrolífera. O governador lembrou que este ano a Petrobras anunciou a descoberta de óleo leve e gás natural em águas ultraprofundas na Bacia de Sergipe. A previsão é de 200 mil barris diários de petróleo e 15 milhões de metros cúbicos/dia de gás.

Carnalita - Essencial para suprir parte do déficit em fertilizantes consumidos pelo Brasil, a extração de carnalita pela Vale do Rio Doce mantém-se no topo das prioridades do Governo do Estado. Do ministro, o governador cobrou a manutenção do Projeto Carnalita informando que não há mais conflitos entre os municípios de Capela e Japaratuba sobre a localização da usina.

Mercadante, então, telefonou para Murilo Ferreira, presidente da Vale. O executivo informou que, ainda em março, deverá ir pessoalmente a Sergipe. O Projeto Carnalita, de cujo minério extrai-se o potássio, essencial para agricultura, prevê geração de 1.000 empregos diretos e 2.750 indiretos na fase de operação. Nas duas fases de implantação, a obra deverá despender U$ 4 bilhões.

Hospital - Por fim, o governador pediu rapidez para a federalização do Hospital Regional de Lagarto, área com a maior densidade demográfica do estado. Mercadante disse que irá conversar diretamente com o ministro da Educação, Cid Gomes. A iniciativa, que visa ampliar os serviços hospitalares, conta com o apoio da Universidade Federal de Sergipe.

Adutoras - Jackson Barreto também teve audiência nos Ministérios da Pesca e Agricultura, Integração Nacional, Saúde, Esportes e Integração Nacional.
O ministro da Integração, Gilberto Occhi, garantiu ao governador a liberação de recursos para ampliação e duplicação de três adutoras em Sergipe, integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Seca. Na mesma audiência, nesta terça, 10, em Brasília, prometeu agilizar verbas para combater os efeitos da estiagem.

As parcelas do PAC Seca que serão liberadas referem-se às faturas de dezembro último. Serão atendidas as obras das adutoras do Alto Sertão (Ribeirópolis, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, São Miguel do Aleixo e Nossa Senhora da Glória) e Sertaneja (Aquidabã e Canhoba), além do sistema de abastecimento de água de Umbaúba, Tomar do Geru e Itabaianinha.
Segundo Occhi, justificando o deferimento do pedido, "não queremos que nada pare". Agradecendo ao ministro, o governador relatou que as obras "estão melhorando a autoestima da região. Em algumas regiões, faltava água há mais de vinte anos", relatou.