Galeria do Sesc expõe Acervo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Não falta aqui gente metendo a mão na massa
Não falta aqui gente metendo a mão na massa

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/02/2015 às 00:43:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

O acervo da Galeria de Arte do Sesc, em exposição na unidade Centro até segunda ordem, é prova da disposição dos artistas visuais da aldeia. Apesar da ausência de instrumentos e políticas públicas voltadas para o segmento, não falta aqui gente metendo a mão na massa.

Não se fala aqui de qualquer aventureiro. Não fosse o edital de seleção dedicado a projetos expositivos publicado todos os anos pelo Sesc, entretanto, talentos reconhecidos, a exemplo de Antônio da Cruz, Elias Santos, Alan Adi, Gabi Etinger, Jamson Madureira, João Valdênio, Kalvero, Márcio Garcez, Nogueira, Renata Voss e Victor Balde, entre outros, não teriam paredes onde pendurar e dar a conhecer o próprio trabalho.
O edital destinado à agenda de ocupação em 2015 já está à disposição dos interessados na página do Sesc (http://www.sesc-se.com.br/galeria-de-arte). Enquanto o secretário de estado da Cultura Elber Batalha não diz a que veio, a primeira oportunidade pode ser também a última chance.

Era uma vez, uma galeria de arte - A cessão do elefante branco erguido para abrigar o Centro de Arte e Cultura Ana Maria Alves, ainda no terceiro governo João Alves Filho - O Megalomaníaco, arrebentou o último fio de esperança amarrado ao peito dos artistas visuais sergipanos. O convênio firmado com a Universidade Tiradentes, uma canetada desastrada do governador Jackson Barreto, ano passado, transferiu a responsabilidade sobre a gestão do espaço para os ombros do empresário Joubert Uchôa. O Memorial de Sergipe vai ganhar casa nova. A criatividade parida aqui e agora, contudo, segue ao relento.

Pior do que o desprendimento demonstrado em relação ao aparelho cultural do Governo de Sergipe, cedido para usufruto de um ente privado durante os próximos 20 anos, foi a justificativa apresentada por Jackson Barreto para explicar a assinatura do documento - Uma confissão de irresponsabilidade. Segundo JB, o prédio estava abandonado às moscas. Em suas próprias palavras: "Agora a galeria terá utilidade".
Pois bem. A cessão está prestes a completar um ano. E até agora, nada.