PPP, UM PASSO PARA VENCER O PESSIMISMO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/03/2015 às 00:11:00

Nos cofres públicos não há dinheiro e são péssimas as expectativas para o correr deste ano, que promete ser turbulento. Não se deve, porém, mergulhar no derrotismo com que os vulneráveis ao pessimismo retroalimentam a crise. Parar o Estado significa afetar a geração de emprego. Já ensinava o sempre atual economista John Maynard Keynes, que em tempos de crise se admite cavar e depois tapar buracos, desde que isso gere emprego.  Jackson Barreto não está querendo ou propondo que se cavem buracos, o que ele quer é abrir espaço em Sergipe para finalmente se concretizarem as chamadas PPPs, as Parcerias Público Privadas, que, como o nome sugere, juntam dinheiro privado com o público e fazem sair do papel projetos que o setor público não pode desenvolver sozinho. Jackson quer começar as PPPs pela DESO, a empresa de saneamento que precisa expandir suas atividades, distribuir mais água, construir novas redes de esgotos, coisas fundamentais para a coletividade.
Começam a surgir resistências. Elas estão naqueles setores que se indignavam quando se dizia que o aparelhamento partidário ou sindical da Petrobras nos moldes em que se processava terminaria por arrebentar a empresa. A sociedade precisa começar a mover-se defendendo uma renovação modernizadora na DESO, um projeto de eficiência que a atual diretoria comandada pelo engenheiro Carlos Melo imagina instalar.