Aumentos na energia são passageiros, diz Dilma

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/03/2015 às 00:18:00

Paulo Victor Chagas
Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff disse na sexta-feira (27) que o aumento nos preços da energia elétrica é passageiro e motivado pelo período de seca que o país enfrenta. Segundo ela, a substituição das formas de produção de energia em momentos de estiagem, das usinas hidrelétricas para as térmicas ou biomassa, faz com que seja necessário arcar com as despesas das matérias-primas.
"Você só vai a energia térmica, que é mais cara, quando precisar. Nós estamos precisando. Os aumentos nos preços da energia são passageiros, estão [sendo aplicados] em função do fato de que o país enfrenta a maior falta de água dos últimos 100 anos", justificou. De acordo com a presidenta, a produção de energia hidrelétrica é mais barata, porque não é necessário pagar pela água, diferentemente de itens como o gás, carvão ou biomassa.

Dilma deu as declarações em Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul, durante a inauguração do Parque Eólico Geribatu, que vai ser capaz de produzir 250 megawatt de energia. Ela disse que as consequências da seca não significam que o país vai ter qualquer problema sério ou mais sério na área de energia elétrica. "Não iremos ter, porque temos todo um sistema de segurança. Isso também não significa que vamos sair por aí jogando energia pela janela e não consumindo de forma racional."
Para a presidenta, a parte do governo é garantir a oferta de energia. Em contrapartida, os cidadãos também têm que colaborar evitando o desperdício. "Desperdício zero. Diversificação da matriz mais desperdício zero é a garantia de segurança do país", afirmou Dilma, antes de citar exemplos: "Não tem por que a geladeira ficar aberta se você não está usando, nem deixar o chuveiro ligado quando não está usando. Não tem por que a gente jogar fora a energia que custa tanto produzir."
O Parque Eólico Geribatu atenderá o consumo energético de 1,5 milhão de habitantes. Junto com os sistemas de transmissão, foram investidos no parque R$ 2,1 bilhões em recursos públicos e privados. Ao lado dos parques de Chuí e Hermenegildo, compõe o Complexo Eólico Campos Neutrais, o maior da América Latina.