MPB Petrobras traz o cantor João Bosco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
João Bosco repassa trajetória musical no palco do Tobias Barreto.
João Bosco repassa trajetória musical no palco do Tobias Barreto.

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/03/2015 às 00:00:00

O cantor, compositor e violonista mineiro João Bosco, com 40 anos de carreira e uma obra de grande relevância para a Música Popular Brasileira, é atração em show voz e violão do projeto MPB Petrobras nos dias 9 e 10 de março, no Teatro Tobias Barreto, com ingressos a preços populares. No show de abertura o público confere o trabalho da banda Samba de Moça Só, grupo de apadrinhadas por Leci Brandão que une elementos da cultura regional aos clássicos do samba.
Depois de mais de 40 anos de carreira e centenas de músicas compostas com Aldir Blanc, formando uma das maiores duplas da história da música brasileira, João Bosco chega ao CD, show e turnê homônimos 'Não vou pro céu, mas já não vivo no chão' que, apesar de não ser explicitamente autobiográfico, soa como espécie de síntese de sua vida e carreira, além de conciliar glorioso passado musical do artista com um futuro não menos promissor.

Do passado, João retoma sua histórica e mítica parceria com Aldir Blanc. Para o futuro, João confirma a excelência de seu mais recente parceiro constante, o próprio filho Francisco Bosco, ensaísta, poeta e letrista que, de tão mão cheia, impossibilita qualquer possível acusação de nepotismo. O próprio mestre Aldir Blanc declarou à imprensa recentemente que o jovem Francisco está mais maduro como letrista do que ele próprio, Aldir, quando tinha a mesma idade.
Assim, meio sem querer, no seu novo show, João Bosco repassa toda sua trajetória musical. Vê-lo desfiando seu amplo leque musical em 'Não vou pro céu, mas já não vivo no chão' é, como o título indica, voar pela própria história singular da música brasileira.

Atração Local - O Samba de Moça Só é um grupo de mulheres, apadrinhadas por Leci Brandão, que fazem samba com a proposta de unir elementos da cultura regional aos clássicos do samba, destacando suas canções autorais, influenciadas pelo universo contemporâneo em que vivem.
Nos shows, o grupo canta, com alegria, músicas próprias, canções que falam de amor, liberdade, que visitam suas origens e mostram seu olhar. Além disso, elas reforçam suas ideias com um repertório divertido e repleto de grandes sambas, lembrando Dorival Caymmi, Clara Nunes, Adoniran Barbosa, Clementina de

Jesus, Lupicínio Rodrigues, Leci Brandão e muitos outros.
Atualmente, a banda está lançando a música "O corpo é meu", tema de documentário sobre a mulher, produzido no Estado de Sergipe. Formado por Rayra Santos (voz, violão, cavaquinho), Gislene Souza (voz e percussão), Mayra Félix (voz e percussão), Cláudia Araújo (voz e percussão), o Samba de Moça Só se prepara para reunir, em breve, suas canções em CD.