Juízes reúnem deputados contra a PEC da Bengala

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os juízes fizeram um apelo para que os deputados sergipanos não votem a favor da PEC da Bengala
Os juízes fizeram um apelo para que os deputados sergipanos não votem a favor da PEC da Bengala

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/03/2015 às 00:49:00

A Amase - Associação dos Magistrados de Sergipe - realizou um evento histórico na mobilização contra a aprovação em segundo turno da PEC 457, a PEC da Bengala. Nesta segunda-feira, dia 9, dezenas de associados participaram de reunião com deputados federais sergipanos no auditório da Amase. O presidente da associação, juiz Gustavo Plech, não apenas agradeceu aos quatro que votaram contra a PEC - Laércio Oliveira (Solidariedade), Adelson Barreto (PTB), Pastor Jony Marcos (PRB) e João Daniel (PT) bem como solicitou uma reflexão aos que se posicionaram contrários - Fábio Mitidieri (PSD), Valadares Filho (PSB), Fábio Reis (PMDB) e André Moura (PSC).

A reunião ocorreu no auditório Desembargador José Artêmio Barreto, na sede da Amase. O presidente da instituição recepcionou os deputados juntamente com dezenas de associados expondo o malefício que a PEC da Bengala representa para toda carreira de magistrados de primeira entrância. A reunião também serviu de aproximação dos magistrados com os deputados federais que representam a sociedade sergipana na Câmara Federal. "Expusemos o quanto esta PEC engessa a carreira da magistratura", afirmou Gustavo Plech.
Para o presidente da Amase foi um encontro positivo, bem como as conversas que ocorrem com os que não tiveram como comparecer a reunião por conta de outras demandas, a exemplo de André Moura, Adelson Barreto e Fábio Reis.

O deputado federal Laércio Oliveira (Solidariedade) votou contra a PEC e prometeu manter seu voto contrário. "Não podemos deixar que o interesse em atingir o Governo Federal prejudique a carreira dos magistrados", disse o deputado, apesar do seu partido ser a favor da PEC. Já o deputado Fábio Mitidieri (PSD), votou a favor da PEC, justificou que o seu voto foi o encaminhamento da bancada e porque entende que os ministros de tribunais superiores podem ficar até os 75 anos de idade em atividade, mas ressaltou que vai refletir devido ao sentimento de que o PSD foi manipulado para votar a favor da oposição para atingir a presidenta Dilma Rousseff.

O deputado Valadares Filho (PSB) também esteve a reunião e fez questão de explicar porque votou a favor da PEC, uma indicação da bancada do seu partido, mas também se disse aberto a refletir . "Não vejo problema algum em conversar com o líder da minha bancada para rever a posição".
Os deputados Jony Marcos (PRB) e João Daniel (PT) também passaram na sede da Amase para reforçar que votarão novamente contra a PEC no segundo turno.
A Emenda Constitucional n° 457/2005, foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, que eleva a idade de aposentadoria compulsória no serviço público de 70 para 75 anos para ministros do Tribunal de Contas da União, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal. A PEC da Bengala, como tem sido chamada, impede a renovação dos quadros dos tribunais e engessa a carreira.