Assombração

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ainda vivo
Ainda vivo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/03/2015 às 11:39:00

Foi comemorado ontem, 21, o Dia Internacional de Poesia. Hora de lembrar Araripe Coutinho:

Se eu pudesse
Dizer como anda
Minha casa
Meu sombroso tear
Minha morte esguia
Te faria parceiro
Da minha agonia.
Mas não. A cada dia
A casa está mais clara
As paredes pintadas
De um vermelho sorrindo
Avanço sem ossos
Pela casa sombria
Do éter tropeço
Vou pingando quadros
De jazigos
Arrumando a cristaleira
Com longos pedaços
De mim pendurados
Alta é a assombração
De nós mesmos,
Ainda vivos.