Mortes por tuberculose caem 20,7% e Brasil quer erradicar a doença até 2035

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/03/2015 às 11:19:00

Luciano Nascimento
Agência Brasil
 
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse que, apesar de o Brasil ter reduzido em 20,7% a taxa de mortalidade nos casos de tuberculose, de 2003 a 2013, o país ainda enfrenta o desafio de diminuir a incidência da doença em populações vulneráveis. Segundo ele, a intenção é erradicar a doença até 2035.

De acordo com o ministro, a doença, no país, está diretamente associada a situações de vulnerabilidade social, afetando pessoas que moram em lugares com más condições de saneamento básico, mas principalmente presidiários, indígenas, moradores de rua (devido à dificuldade de acesso aos serviços de saúde e às condições específicas de vida), além das pessoas que contraíram HIV (sigla em inglês para o vírus da imunodeficiência humana, causador da aids).

De acordo com Chioro, existe determinação social para maior incidência da tuberculose. Os índios, por exemplo, têm três vezes mais riscos de contrair a doença, em relação à população em geral; na população carcerária o índice aumenta para 27 vezes; na população com HIV a incidência sobe para 38 vezes; e na população de rua sobe para 44 vezes. "O sucesso da resposta do país a esses desafios só terá êxito se tivermos capacidade de constituir uma ampla aliança em torno de uma ação concreta, não só na saúde, mas também em outras áreas da sociedade", ressaltou Chioro durante sessão solene ontem (23), na Câmara dos Deputados, pelo Dia Mundial de Luta contra a Tuberculose.

O ministro apresentou os resultados dos últimos dez anos, que apontam redução de 22,8% na incidência de casos novos de tuberculose. Em 2014, a incidência de tuberculose no Brasil foi 33,5 casos por 100 mil habitantes, contra 43,4/100 mil em 2004. A taxa de mortalidade de 2013 foi 2,3 óbitos por 100 mil habitantes, abaixo dos 2,9 óbitos por 100 mil habitantes registrados em 2003.
Segundo Chioro, o desafio agora será reduzir em 95% os óbitos e em 90% o coeficiente de incidência da doença até 2035.