Feirante é preso com 2,5 mil maços de cigarro paraguaio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os cigarros estavam com um feirante
Os cigarros estavam com um feirante

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/03/2015 às 11:35:00

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam ontem de manhã, na Avenida Osvaldo Aranha, bairro José Conrado de Araújo (zona oeste), um feirante de 46 anos que transportava 2,5 mil maços de cigarros falsificados e contrabandeados. Segundo a polícia, os produtos vieram do Paraguai, entraram no Brasil pelo oeste do Paraná e foram despachados para Arapiraca (AL), onde o feirante comprou a carga por R$ 2.500,00. O feirante foi abordado depois de descer de um micro-ônibus com as caixas de cigarro.

"Os policiais que estavam de plantão faziam uma ronda e suspeitaram de uma movimentação. O indivíduo estava passando essas caixas para um carro de passeio e os policiais constataram que o material era ilícito", explicou o inspetor Anderson Sales, da PRF. Segundo ele, os indícios de que os cigarros são falsificados são fortes, apesar de esta informação só ser confirmada após a realização de uma perícia. "Parte dessa mercadoria foi mesmo falsificada, pois usava réplicas de uma marca nacional, e outra parte é de origem estrangeira", disse ele.

Ainda de acordo com Anderson, o feirante admitiu que iria vender os cigarros em uma feira livre no Conjunto Orlando Dantas (zona sul), ao preço de R$ 2,50 cada maço. "Essa prática já transgride a lei, que estabelece um preço mínimo para o cigarro no Brasil. Nenhum maço de cigarro pode ser vendido abaixo de R$ 3,00, senão configura-se uma ilegalidade", alerta Anderson, acrescentando que a falsificação do cigarro pode trazer consequências mais graves para a saúde dos fumantes e para a economia, com o não-recolhimento de impostos.

O feirante foi autuado em flagrante e responderá em liberdade pelos crimes de contrabando, descaminho e falsificação de produtos. Os cigarros serão destruídos após autorização judicial. (Gabriel Damásio)